quinta-feira, março 30, 2006

Íngreme


Site português várias vezes galardoado, nomedamente pelo FWA (Favourite Website awards), ou pelos "Flash Film Festival San Francisco 2005 Awards" na categoria 3D, entre outros.
*Clicar na imagem para ter uma ideia do site em questão. Muito giro!

quarta-feira, março 29, 2006

Sopro Vital V

Corpo de argila, de vento, de músculos e respiração. Aos poucos vais-te deixando moldar. No início estavas rígido, hirto, tinhas-te esquecido de ti, de todos os teus abraços, de como te podes esticar e agarrar o céu. Passados meses a memória esbatida reganhou contornos .Hoje abandonáste-te um pouco mais ao teu próprio peso e o meu nariz reviu o meu joelho. Tocou-lhe...estive a fazer Yoga.

terça-feira, março 28, 2006

Flatpak

Investigadores portugueses, do Instituto Superior Técnico, inventaram uma embalagem que se pode espalmar durante o transporte potenciando a percentagem de reciclagem.É o que se lê num artigo do Público de hoje. Evitando volumes de ar desnecessários a embalagem "flapak" pode dobrar-se como um envelope. O conceito é vantajoso na reciclagem deste tipo de resíduos que representam 30% a 40% do lixo produzido na UE. O projecto "Flatpak" de Ana espada, Leonardo Rosado e Luís Vargas já tinha sido galardoado com o prémio "Ideia INOVAdora" dos Prémios "INOVA Leiria 2005". Nós no nosso melhor:-)

Simplex


Chama-se assim o conjunto de reformas que visam simplificar/modernizar a administração nas suas relações internas e nas relações com os cidadãos sejam eles pessoas singulares ou colectivas.
Aqui ficam alguns links com informação e opiniões interessantes.

O primeiro fui "roubá-lo" ao Puxapalavra, é um post de RN que sintetiza de forma clara as medidas de simplificação, pode ler-se aqui.

O segundo é um artigo de Helena Garrido, no DN de hoje. Aqui.

E ainda o Simplex propriamente dito e a UCMA (Unidade de Coordenação da Modernização Administrativa).

Só uma perguntinha: quem escolheu o nome, quem foi? Parece nome de papel higiénico ou de desodorizante,enfim...é a única coisa de que não gosto.

segunda-feira, março 27, 2006

Profissionalismo ou a falta dele.

Foto de Ag.Belga

Lê-se num artigo do jornal La Libre Bélgique (jornal belga) uma notícia sobre o jogador de futebol, português, Sérgio Conceição. Confesso que não costumo ler a secção dedicada ao desporto,nem sabia que o Sérgio Conceição jogava no Standard, mas o nome português saltou-me à vista e fui ver de que se tratava.
Fiquei a saber que o Comité Desportivo da União belga de futebol suspendeu Sérgio Conceição preventivamente até 11 de Abril. A decisão não é passível de recurso até ao dia 11 de Abril altura em que o Comité voltará a reunir-se. Sérgio foi expulso num jogo na passada terça-feira na meia-final do Campeonato belga, depois de ter cuspido sobre um jogador da equipa adversária e de ter tirado a camisola que atirou violentamente ao árbitro.
Pelos vistos, nesta primeira fase do processo não foram tidas em conta circunstâncias atenuantes. No comunicado lido à Imprensa, o Comité justificou a decisão dizendo que seja qual for a situação o "fair play" , boa conduta no terreno devem sempre primar.Concordo.
O que terá provocado esta reacção em Sérgio Conceição?Ainda não sei. Mas estamos a falar de desporto e de um profissional de alta competição do mesmo. Não acho que se deva generalizar, mas considero que alguns jogadores portugueses, supostamente bons profissionais, tratados à altura, nomeadamente do ponto de vista remuneratório, deveriam adoptar um comportamento em conformidade. Seja qual for a provocação com que se deparem. É frequente ver nos jogos de futebol fitas e provocações mais ou menos violentas. A diferença do bom profissional está na forma como reage.

domingo, março 26, 2006

Rodrigo


Nasceu no dia 23 de Março 2006. Filho de dois amigos meus. Dorme como um anjo.
Desejo-te amor e saúde. Coragem para ser feliz e para aprender com as lições da vida. Serás muito amado, isso sei eu. Um beijinho grande bébé.

sexta-feira, março 24, 2006

Optimismo é...


... combinar um piquenique no Domingo, num parque em Bruxelas, só porque se leu algures que vão estar 15°C. :-)

Mentiras


"A língua francesa, tal como o inglês e o alemão são as três línguas de trabalho da UE, apesar de qualquer representante europeu se poder expressar na sua língua de origem, o que é possível graças à existência de um autêntico batalhão de tradutores nas instituições comunitárias."
Primeira erro: o francês, o inglês e o alemão não são as línguas de trabalho da UE, são as línguas tacitamente aceites como línguas de trabalho da Comissão Europeia o que é muito diferente. Os funcionários da Comissão falam e redigem documentos em francês ou inglês. Ainda assim, a Comissão tem uma política de encorajamento da aprendizagem de línguas junto dos seus funcionários. Nessa aprendizagem incluem-se todas as línguas oficiais da UE, que são as de todos os seus Estados-membros. O acrescentar de uma língua comunitária às que já se falam (e que deverão ser duas línguas estrangeiras no momento do concurso) é inclusive motivo para obter pontos no processo de promoção.
No entanto, os presidentes, ministros e delegados que participam em reuniões no Conselho Europeu, não estão por definição na Comissão nem são funcionários desta. Têm por conseguinte o direito (eu diria mesmo o dever) de falar a sua língua. Porque representam um Estado e não o seu ego e bazófia pessoais e porque em 90% dos casos só assim poderão exprimir-se de forma segura,clara e inteligível.
Segunda mentira: o batalhão de tradutores. Se os ministros falam, então estamos a falar de Intérpretes de Conferência ( não de Interpretariado como muitos ignorantes snobs dizem). No caso dos Conselhos de Ministros, Cimeiras etc... são os intérpretes da DG Interpretação, vulgo SCIC (Service Comum d'Interpreation de Conférences) da Comissão que participam nos trabalhos.
O SCIC é composto por um quadro administrativo e por Intérpretes funcionários e free-lancers. Regra geral são os funcionários que participam nos Conselhos de Ministros, embora por questões de cobertura linguística esse nem sempre seja o caso. O SCIC é o maior serviço de interpretação do mundo. Exemplar pela sua qualidade e cobertura linguísticas. Os Intérpretes têm formações universitárias variadíssimas (o que se encoraja) e são seleccionados por concurso como qualquer outro funcionário comunitário realizando, para além disso, inúmeras provas de interpretação. A título de curiosidade, refiro que os tradutores (os que traduzem os documentos,i.e directivas, regulamentos, linhas directrizes, comunicações,etc) têm também a sua DG, DG Tradução da Comissão Europeia e são seleccionados da mesma forma (realizando naturalmente provas de tradução em vez de interpretação).
Nos Tratados comunitários está expressamente mencionado o estatuto de língua oficial da UE de todas as línguas oficiais dos estados-membros da UE. Este é um direito democrático que assiste a todos os cidadãos comunitários. Parace-me óbvio. Mas há sempre quem deseje pegar neste direito para diminuir despesas do orçamento comunitário furtando-se a cortes onde eles de facto são necessários. Assim, o direito que todos temos a conhecer a nossa legislação na nossa língua e a falar na nossa língua nas instituições comunitárias corresponde a menos de 2% do orçamento comunitário. Costuma dizer-se que a Interpretação custa 0,28 € por ano a cada cidadão europeu. Tradudores e intérpretes representam 20% dos funcionários da Comissão Europeia, tendo um peso equivalente em termos orçamentais no orçamento interno desta instituição.
Ou seja, se políticos e delegados deixassem de se exprimir na sua língua, para além do entorse democrático que isso representaria, estaríamos a poupar menos de 2% no orçamento comunitário. Nada, quando comparado ao dinheiro da PAC ou ainda às viagens mensais do Parlamento Europeu entre Bruxelas e Estrasburgo. Mas disto ninguém fala e por isso, o direito à palavra, à comunicação, à defesa legítima de interesses é considerado um luxo supérfluo. Naturalmente, só quem nunca teve em reuniões em que delegados/as se exprimem num pidgin english indecifrável é que percebe.
É por estas e por outras que tenho cada vez mais desconfiança ao ler jornais. É que quando se trata de assuntos que eu conheço, detecto todos estes erros bem recheados de "hidden agendas". E nos outros assuntos? Aqueles, muitos, em que sou leiga? O perigo da falta de profissionalismo é a quebra de confiança entre o leitor e o jornalista. Sem ela, mais vale ler ficção!
*Coloquei links para sites informativos em todas as palavras sublinhadas. Aí se pode encontrar todo o tipo de informação, nomeadamente custos, que é coisa que costuma interessar.

quinta-feira, março 23, 2006

Archie Shepp


Obrigada à T. e ao H. que ontem me permitiram descobrir este senhor. Músico e cantor de jazz, grande saxofonista. Fiquei encantada. Quem me dera pegar na voz e exprimir-me assim, quem me dera pegar num saxofone, piano, bateria, contrabaixo e exprimir-me assim. Mas não sei e graças a Archie Shepp pude vibrar.

Sobre Archie Shepp: http://www.archieshepp.com/

terça-feira, março 21, 2006

Hoje, ainda é dia...


MIGUEL TORGA

Livro de Horas

Aqui, diante de mim,
Eu, pecador, me confesso
De ser assim como sou.
Me confesso o bom e o mau
Que vão ao leme da nau
Nesta deriva em que vou.

Me confesso
Possesso
Das virtudes teologais,
Que são três,
E dos pecados mortais,
Que são sete,
Quando a terra não repete
Que são mais.

Me confesso
O dono das minhas horas.
O das facadas cegas e raivosas
E o das ternuras lúcidas e mansas.
E de ser de qualquer modo
Andanças
Do mesmo todo.

Me confesso de ser charco
E luar de charco, à mistura.
De ser a corda do arco
Que atira setas acima
E abaixo da minha altura.

Me confesso de ser tudo
Que possa nascer em mim.
De ter raízes no chão
Desta minha condição.
Me confesso de Abel e de Caim.

Me confesso de ser Homem.
De ser um anjo caído
Do tal céu que Deus governa;
De ser um monstro saído
Do buraco mais fundo da caverna.

Me confesso de ser eu.
Eu, tal e qual como vim
Para dizer que sou eu
Aqui, diante de mim!

*Escultura "Woman" de Alberto Giacometti.

Hoje é dia ...


*Mêng Chu ( 3rd Century)

SPRING SONG

In the sunny Spring of March and April,
When water and grass are the same color,
I met a young man dallying along the road,
I'm sorry I didn't meet him earlier.

In the sunny Spring of March and April
When water and grass are the same color,
I reach up and pick the flowers from the vines.
Their perfume is like my lover's breath.

Four, now five years, I have expected you.
During this long wait my love
Has turned into sorrow.
I wish we could away, back to some lonely place,
Where I could give my body
Completely to your embraces.

--------



*Su Hsiao-hsiao (late 5th Century)

A SONG OF HSI-LING LAKE

I ride in a red painted carriage.
You pass me on a blue dappled horse.
Where shall we bind our hearts
In a love knot?
Along Hsi-ling Lake under the cypress trees.


*Poetisas chinesas.

domingo, março 19, 2006

Dia 19 de Março

Naquele tempo não podias chorar nem sentir e educaram-te com a razão do medo e da força,
fizeram-te senhor da guerra, quiseram tirar-te a vontade e a palavra
Ficáste algures no fundo do poço, taparam-no com uma carapaça.

Quiseste salvar-te e deste-me a Liberdade. Salvei-me, sedenta das tuas palavras, dos teus gestos, do teu olhar, da tua confirmação.

Fizeram-te naquele mundo. Passou a ser um pouco o teu. Insidiosamente o que rejeitáste instalou-se e ganhou-te em parte.E assim me faláste também com a linguagem do medo. Transmitiste cega e fielmente a carapaça. Mas a minha é já de outra Era, feita de pele tenra. Rasguei-a por mim, para te perdoar.

Hoje vejo-te menino, com passos trôpegos recuperas o teu direito à felicidade. É te difícil dizê-lo.
Digo-to eu:
Amo-te muito.
P.S: Hoje também o disseste. Estamos a crescer. Estou feliz :-)

sexta-feira, março 17, 2006

Porquê?!


Há um fenómeno que não consigo compreender e de que me apercebi desde que a minha amiga E. está grávida. Trata-se do secretismo que envolve certos fenómenos da gravidez, nomeadamente certas características físicas da mulher grávida.
Passo a explicar. Há dois dias, caiu ou saiu (nem sem como se diz) o "rolhão mucoso" à minha amiga. Sabem de que se trata? Pois eu não fazia ideia e nem nunca tinha ouvido falar em tal coisa. Aliás a E. também não. Rolhão mucoso (nome técnico da coisa, já agora "tampon mucoso" em espanhol e "bouchon muqueux" em francês) é , de acordo com as palavras da E. uma espécie de muco espesso gelatinoso, como uma pequena alforreca (cito,lol) que serve precisamente de rolha entre a placenta e, bom o exterior.
Antes de rebentarem as águas (nisto sempre ouvi falar) tem que sair a dita rolha, o que me parece lógico. O rolhão pode sair no momento em que se rompem as águas ou primeiro e separadamente às vezes até dias antes( pode ir até 15 dias, embora seja raro).
Pergunta e porque é que nos magníficos relatos de partos nunca me falaram disto? E pelos vistos à E. também não que não percebeu o que lhe estava a acontecer...
É verdade que atendendo à descrição não será das coisas mais belas, mas é a realidade, é o corpo humano!
Porque nunca nos dizem certas coisas do corpo feminino, mesmo em pleno século XXI?
Não percebo...

Este cartoon, da Maitena, não tem directamente a ver com o tema, mas achei-o irresistível.É para ti E. ;-) Beijinhos.
*Clicar nas imagens para aumentar.

quinta-feira, março 16, 2006

16 de Março


Obrigada pai.

Um beijo grande,

Sofia.

Conto,meu


Um dia, 28 anos depois de ter começado, sentei-me e olhei para dentro. A medo, às apalpadelas espreitei por detrás do último segundo.
Vi passar caras, corpos, mãos e braços. Vi passar risos, palavras , choros e gritos. Passaram estradas, portas, paredes e alcatifas. Passaram quintais, quartos, cães e gatos. Passaram olhares, força, dor e medo.Passaram armas, ausência, grades e botifarras. Passaram lágrimas, silêncio surdo e cólera amordaçada. Passaram janelas, pratos e beiras do mar. Passaram vagas e tubarões. Passaram carinhos, cócegas e beijos. Passaram comboios, carros e aviões. Passaram conhecidos, desconhecidos e cordões umbilicais. Passaram panos, roupa, cheiros e sabores. Passou um vão de escada esconso e cheguei a um plano escuro. Sentada, agarrada aos joelhos, de cara escondida nos cabelos escuros vi-a pela primeira vez. Depois de tanto tempo, a única que poderei, um dia, pensar conhecer. Foi então, que aconteceu. Olhei-a nos olhos durante uma ínfima fracção de milésimo de segundo. Não percebi tudo. Mas varri os deuses dos altares e os sábios dos pedestais. Jurei-lhe amor eterno e fidelidade, pura, a única.

"Contre le Racisme"


Esta é uma iniciativa do MRAX, Mouvement Contre le Racisme, l'Antisémitisme et la Xénophobie. Decorre de 17 a 25 de Março. Inclui manisfestações de ordem vária: teatro, cinema, exposições, música, encontros. Archie Shepp, saxofonista, veterano do Jazz estará em Namur no dia 22 às 20h. Ou ainda a peça "CV Noir" da Companhia "Les Gâtés" no Centro Cultural de Schaerbeek, dia 18 às 14h30. São só algumas dicas de inúmeras possibilidades.
Para mais informações dar um saltinho aqui.

E a Espanha aí ao lado...

*Foto tirada há dois anos em Madrid

Encontrei no DN de hoje este artigo de Luciano Amaral com uma análise interessante do que se passa actualmente em Espanha. Interessante e preocupante, espero que nada se concretize. Não quero nem a Espanha merece . A minha Espanha querida, que tem rosto. A dos meus amigos espanhóis, com quem riu e me entendo como raramente acontece. Da nossa cumplicidade.

Só há uma passagem com a qual não concordo inteiramente, embora possa estar enganada. Lê-se a certa altura: "A transição espanhola constitui um dos grandes momentos políticos do século XX europeu. Aquele em que um povo profundamente dividido pela violência de uma guerra civil brutal e de uma ditadura não menos brutal conseguiu encontrar uma solução política consensual, dando origem a um período dilatado de conflito ordeiro (i.e., democrático) e prosperidade." Eu acho que é aí que bate o ponto. É que em Espanha, na minha opinião, o povo não encontrou uma solução política. Ela "foi-lhe" encontrada por ele, numa transição estudada e em muito influenciada pela nossa revolução (quantos espanhóis me recordaram já a diferença da revolução portuguesa e da transição espanhola). Nós caminhamos devagar, mas somos nós que damos os passos, pelo menos uma parte de nós que vai ganhando consciência. Em Espanha, há duas Espanhas (já para não falar das autonomias) uma extremamente progressista e inspiradora e outra extremamente conservadora e retrógrada. E os dois campos são enormes, nada marginais.

Ceci n'est pas un plat de sushi




----------------------------------------------------------------------------------


Existe uma tradição japonesa a que se chama Omakase.

Omakase (お任せ) é a palavra japonesa para "proteger".Pratica-se Omakase, regra geral, nos Bares de sushi( sushi ),em que o cliente pode pedir "omakase onegai shimasu" (onegai shimasu significa"queira fazer o favor de") autorizando assim o chefe a preparar o que ele quiser ao preço que o chefe estipular. Pedir omakase pode revelar-se uma aposta arriscada, no entanto o mais habitual é que o cliente seja brindado com o peixe da mais elevada qualidade que o restaurante tiver no momento e mais barato do que se pedisse um prato equivalente da ementa.

terça-feira, março 14, 2006

Sopro Vital IV

No meu pensamento abro uma porta e um a um vou xutando os pensamentos parasitas que me afastam da Paz. O dia foi cheio, agitado, povoado de emoções, de contradições. É difícil esvaziar o balão com um só sopro. Respiro fundo, encho os pulmões e com toda força serena expulso o ar pela garganta, quase pela glote. O corpo aquece a cada respiração e um a um eles lá vão saindo pela porta...Estou a fazer Yoga :-)

Esquizofrenia


Começa em nós e alarga-se aos Estados.
Queremos uma coisa e fazemos outra, dizemos uma coisa e fazemos o seu contrário. Uma boa psicoterapia e tomada de consciência europeia (mundial) far-nos-ia muito bem!
Eu explico.
Diz-se que a Europa está em crise, que a ideia de Europa está num impasse. Diz quem? Os jornais, nós, os políticos. Vota-se contra a Constituição, alarme geral. Os cidadãos sentem a Europa demasiado distante, gritam os políticos que ciclicamente se juntam à volta das mesmas mesas aqui em Bruxelas. Os cidadãos não conhecem a Europa, não reconhecem as suas vantagens, não sabem como o seu dia-a-dia é influenciado por ela. Só a associam ao que há de negativo,etc... É bonito, sim senhor, ouvi-los assim.Ou melhor seria bonito se eu fosse amnésica, surda e cega. Mas não sou. Aí é que a porca torce o rabo.
Porque é que os cidadãos não sabem o que é de origem comunitária nos seus países??? Porque os seus dirigentes depois de negociarem directivas e regulamentos aqui ou no Luxemburgo, apresentam projectos-lei como se fossem da sua autoria, única e exclusiva. E quando é preciso austeridade de quem é a culpa? Da UE, ou melhor de Bruxelas ou melhor ainda dos eurocratas.
Defendem-se a moeda única, o mercado interno, a UEM (união económica e monetária) a livre circulação de pessoas, bens e capitais, o espaço de justiça, segurança e liberdade, uma europa social, do crescimento e do emprego.Mas quando toca a fusões,reina o Proteccionismo,para uns há mercado interno e para outros (leia-se neste caso específico, para Thierry Breton), há o mercado alheio para comprar e o interno é o nacional,ponto final. E depois admiram-se que os cidadãos desdenhem a UE? Não não se admirem, colham as tempestades que semearam!
Os nossos governantes querem Europa, mas não querem Europa. Faço-me entender? Querem jogar na cena internacional enquanto Europa, porque lhes dá jeito, realizar reformas em nome da Europa, porque lhes dá jeito,os preços aumentaram por causa do Euro, dá-lhes jeito mas o desenvolvimento, as leis ambientais, as leis relativas ao local de trabalho, a moeda única e respectivas taxas de juro baixas, não isso são tudo ideias deles. O mercado interno para vender nos outros estados-membros, sim. Para que os outros vendam cá, não. A França, a Itália e a Alemanha são três motores importantes na Europa. Estão doentes. A França não poderia estar mais egocêntrico-pseudopatriótico-fascista para um estado democrático. A Itália está entregue a um bobo da corte déspota e manipulador, a Alemanha tem por quadro mental um quadrado.
Nós, cidadãos eleitores também temos memória fraca. Acreditamos mais na protecção do estado-nação e esquecemos porque é que há cinquenta anos que não temos guerra,Portugal saiu duma ditadura e 30 anos depois, embora com muito ainda por fazer, está a anos luz do que era. Votamos em governos conservadores e depois queixamo-nos de Directivas dos Serviços ou" Bolkestein", e dum colégio de comissários liberal e sem poder. Pois é, quem escolhe o colégio de comissários? Os governos dos estados-membros. Quem elege os governos...Nós!Quando os franceses votam Chirac ou Sarkozy e depois votam contra a Constituição por temer o liberalismo desenfreado, quando os holandeses votam Balkenende e também rejeitam a Constiuição por causa do liberalismo e por causa das fornteiras abertas(apesar da emigração oriunda de Portugal, Espanha e Grécia ter diminuido desde que aderiram), algo há que não perceberam. E aliás, nem convém nada aos respectivos governos que comecem a perceber... Os mesmos governos que querem a Europa mais próxima do cidadão, mais bem explicada. Estão a perceber? Esquizofrénicos, ou uma grande dose de oportunismo irresponsável.

segunda-feira, março 13, 2006

Sexos têm interesses diferentes na ciência...

De acordo com um estudo realizado no Reino Unido, os temas da ciência que interessam os jovens variam consoante o sexo. Desta forma, o governo britânico pensa poder orientar melhor a oferta de aulas ciêntíficas por forma a captar mais alunos e reduzir o défice de alunos inscritos nessa área.
A lista das preferências de acordo com o sexo é a seguinte:

"Favourite topics for boys were...
Explosive chemicals.
How it feels to be weightless in space.
How the atom bomb functions.
Biological and chemical weapons.
Black holes and supernovae.
How meteors, comets or asteroids cause disasters on earth.
The possibility of life outside earth.
How computers work.
Effect of strong electric shocks and lightning on the body.
Dangerous animals.
Girls, however, preferred to learn about their own bodies.
They wanted to know...

Keeping fit and the workings of the human body captured girls' interest
Why we dream and what it means.
What we know about cancer and how to treat it.
How to perform first-aid.
How to exercise to keep fit.
Sexually transmitted diseases and how to protect against them.
What we know about HIV/AIDS and how to control it.
Life and death and the human soul.
Biological and human aspects of abortion.
Eating disorders.
How alcohol and tobacco might affect the body."

Resto do artigo aqui. Não sei o que pensar duma orientação pedagógica em função dos sexos, mas a verdade é que me identifico mais com a lista das jovens. À excepção da exploração do Espaço e vida extraterrestre que sempre me fascinaram. Pois é, apesar das tendências identificadas nas respostas das meninas nem todos(as) temos os mesmos gostos. Também não sei até que ponto o sistema inglês determinaria à partida o que eu poderia escolher. Mas o estudo pressupõe uma possível determinação/orientação e é isso que me incomoda.

China:uma no cravo outra na ferradura...


ou as ambiguidades da "economia de mercado chinesa". Em fase de transição, a China é palco de inúmeras contradições e ambiguidades. Mas de forma lenta vai avançando, talvez esteja aí o seu segredo.
Mercados abertos hoje para isto, fechados amanhã para aquilo. A China oscila entre os dois movimentos que sempre a habitaram e que ditaram o seu/nosso avanço e a sua estagnação/retrocesso: abrir e fechar-se. Neste momento encontra-se em pleno abre e fecha.
Que o diga este artigo no Le Monde que relata o patriotismo económico chinês relativo à adjudicação de contratos de construção de grandes obras públicas como o comboio Pequim-Shanghai. Mas será que lhe podemos apontar o dedo? Proteccionismo em França(Arcelor-Mittal; etc..), em Espanha, na China. No caso chinês alemães, franceses e japoneses já afiavam o dente.
Os maiores críticos da China são aqueles que defendem um maior proteccionismo do respectivo mercado e recuperação de fronteiras, confirmando a teoria da psicologia segundo a qual o que mais me irrita no outro são os meus defeitos que não quero admitir. De facto, somos todos bastante parecidos, só não temos as mesmas armas...
A propósito da China, descobri este site francês bastante completo com informação geográfica, histórica, económica, artística...da China.Muito bem feito:-)

O mérito, os atestados de menoridade e a hipocrisia

A propósito da paridade e da recente proposta do governo a este respeito, com a qual concordo, fica aqui o artigo de opinião da Joana Amaral Dias, no DN de hoje, que muito bem explica o que também eu penso.

Eu até iria mais longe, como fez Zapatero no projecto-lei aprovado pelo seu governo no passado dia 3 de Março. Paridade na política já. E paridade também no local de trabalho.É que estes "não-machistas ibéricos" falam muito mas fazem pouco, se ficarmos à espera do tratamento equitativo espontâneo das mulheres em todas as esferas, bem podemos esperar pelas calendas gregas.
Aqui se pode ler o artigo do Le Monde que apresenta o projecto-lei do governo espanhol.

domingo, março 12, 2006

Sol glacial...















...quando te mostras assim,ainda que tímido...fico vadia.

sábado, março 11, 2006

Água na Boca


Concentrado, refogando e salteando para mim...
dá-me vontade de lhe provar a boca e de lhe mordiscar as orelhas...

sexta-feira, março 10, 2006

Recorda-me Sakura


Meu corpo querido e esquecido
Meu ancoradouro, meu ombro,
meu fiel companheiro tão camuflado, incompreendido;

abres as narinas e procuras o perfume do ananás maduro,
abres os olhos e procuras o ângulo perfeito de côr ,
abres os ouvidos e insistes na repetição da melodia ,

abres as mãos e procuras a pele , morna
irrequieto não me deixas dormir.

Sim, ao sexto mês de Inverno
sem suspeita de rebentos nos ramos
tu já sabes e sussurras-me
A Primavera está a chegar.

quinta-feira, março 09, 2006

Ilusão

Acreditar que temos moral;
acreditar que a inventámos;
acreditar que é universal;
acreditar que a podemos impor;
acreditar que a querem aceitar;

ilusão de poder, que não é o poder,
ilusão, o mundo que conseguimos ver,
ilusão da palavra, Realidade.

O objecto do meu desejo


Kusa Daifuku

É uma das minhas sobremesas favoritas. Bolinho japonês que apela aos sentidos.É primo do igualmente delicioso bolinho de arroz chinês. Mordê-lo é como morder uma nuvem que já está um bocadinho carregada de neve.
Tem o perfume suave do chá verde, a delicadeza de um ameixa madura, a macieza de uma pele retocada a pó de arroz.
Como descrever a sua textura?

Se a porcelana se pudesse comer seria assim, lisa, fria e suave.

Aqui e aqui encontra-se uma definição mais objectiva do Kusa e das suas variantes.

quarta-feira, março 08, 2006

OGLE-2005-BLG-390L b


É o nome da "outra" Terra que finalmente foi descoberta. Na procura contínua do outro no Cosmos (à procura de nós mesmos, penso eu) uma equipa internacional do programa Planet encontrou o primeiro planeta telúrico na constelação do Sagitário a 20 000 anos-luz da Terra. Tem cerca de 10 mil milhões de anos e o dobro do tamanho da Terra, grosso modo. Em termos de peso tem 5 vezes a massa terrestre. Gira a 400 milhões de quilómetros do seu Sol, lentamente. É composta por rochas e gelo e tem atmosfera. Trata-se claramente de um exoplaneta telúrico, ou seja sólido e não de mais um planeta gazoso. Quais as implicações desta descoberta? Provavelmente o retomar das missões internacionais Darwin e Planet Finder que tinham por objectivo estudar a atmosfera de exoplanetas e detectar sinais de vida na superfície de "irmãs" da Terra.E já agora, também lhe podiam dar um nome decente. Enfim, falta-me lirismo nesta escolha. Se calha é por ser o terceiro dia consecutivo de chuva,se calhar estou sentimentel, mas queria mais poesia. Vejam lá se não tenho razão: depois de séculos de olhos postos no Universo, prescrutando o infinito, procurando sinais de vida encontramos o primeiro planeta sólido com atmosfera que nos permite acreditar que outros haverá com possibilidades de vida. A utopia está menos distante e ao planeta chamámos... Ogle-2005-BLG etc... tsss,tsss.
P.S.: A 25 de Janeiro de 2006 a revista Nature publicou um artigo anunciando esta descoberta. Eu encontrei-a na revista Science&Vie do mês de Fevereiro. Aqui encontrará mais detalhes sobre o OGLE e técnicas que levaram à sua identificação.

8 de Março


Dia da Mulher

Infelizmente no dia 08 de Março de 2006 ainda se celebra o dia da Mulher. E digo infelizmente não porque esteja contra a ideia em si de ter um dia da mulher. Digo infelizmente porque isto significa que ainda hoje:

-temos salários, regra geral,mais baixos que os dos homens em funções idênticas;
-somos consideradas inferiores num número assustador de países;
-somos esmagadoramente vítimas de violência doméstica;
-somos menos escolarizadas;
-somos mortas à nascença ou em gestação por sermos mulheres (China e Índia);
-a divisão equitativa de tarefas domésticas é uma ilusão na maioria dos lares;
-o Poder é associado ao masculino e ser feminina é ser dócil;
-apesar da revolução sexual dos anos 60, uma mulher livre é uma puta;
-temos de nos masculinizar para chegar ao poder, numa empresa, num país, etc...
-porque nas religiões monoteístas o nosso corpo ainda é conotado com o pecado o que permeia todo o nosso inconsciente

Mas também, porque ainda hoje:

-há muitas mulheres, demasiadas, que aceitam e reproduzem esta situação;
-há mulheres que educam os seus filhos para serem lordes;
-há mulheres que não gostam de ser mulher porque a imagem que têm de si é tão negativa;
-há mulheres que se agarram ao poder que ganharam na esfera doméstica fazendo perdurar o modelo patriarcal em que se reduzem a Senhoras do lar, por vezes impediedosas

Este é mais um dia para recordar, que o mundo tem de mudar e isso começa por NÒS!

terça-feira, março 07, 2006

Desafio aceite :-)

Cinco Manias, tenho de encontrar cinco manias minhas é o desafio que me lança RN do PuxaPalavra. Pois aqui vão:

1-Deitar-me sózinha na cama feita de lavado e ter o prazer de enfiar o nariz nos lençóis, na almofada e sentir aquele perfume bom a lavado (porquê sózinha, estará a perguntar quem se der ao trabalho de me ler, porque quero sentir os lençóis lisinhos, a estalar e não quero mais cheiro nenhum a contaminar o perfume da roupa...enfim, manias,lol);

2-Gostar da fruta já um nadinha podre ou quase, sobretudo bananas, quando estão quase transparentes;

3-Adormecer ao som de um ventilador;

4-Mal me apanho no sofá com o meu querido A., pedir-lhe implorar-lhe que me coce as canelas, ou a planta dos pés, I know...weird,lol

5-Esta é bastante recente: ver os meus mails, ler os jornais online a partir do Blog e só depois de dar uma vista de olhos pelos blogues que tenho na minha lista, está a tornar-se uma dependência, help!

Pois é, já lá vão cinco, foi um instante, lembro-me de mais algumas, o difícil foi escolher:-)

segunda-feira, março 06, 2006

E já agora...

...ainda a propósito dos filmes do fim de semana. Maravilhosa sociedade patriarcal a da Humanidade. De "Syriana" onde as mulheres mal existem e quase sempre se reduzem ao papel de esposas, que esperam, que morrem no lugar do lado, a "Memórias de uma Geisha" onde a Geisha apesar de independente vive em função do que dela se espera em termos de estética, de funções, de tudo. Maravilhosa sociedade patriarcal a nossa, não me canso de dizer...ironicamente!

Fim-de-semana cinéfilo

Gosto muito de cinema e com o termómetro a indicar temperaturas negativas pelo 5º dia consecutivo nada mais apetece do que um bom cineminha.
Começámos 6a feira com:

"Corruption is our protection, corruption is what keeps us safe and warm...corruption is why we win".

Syriana. Boa intriga e bons actores. Está lá tudo o que se sabe e raramente se vê num filme que em 2 horas resume bastante bem as hipocrisias, interesses e desafios em jogo. Aquela realidade que gostamos de esquecer quando se criticam reacções a caricaturas sem considerar todo o pano de fundo da questão. Gostei muito. Gosto cada vez mais de Clooney que sem assumir protagonismos "howllyodescos" está claramente apostado em fazer do cinema uma arma de intervenção. Espero que continue!

Para aceder ao site oficial do filme clicar aqui.

Deixámos para Sábado "Memórias de uma Geisha":


Estética magnífica. Adaptação aceitável. Li o livro em Maio de 2000 (fui ver a data na contracapa). A profusão de informações relativas à época e ao mundo específico das Geishas no Japão dos anos 30, não é tão rica. Acho compreensível. É uma boa iniciação à estética e regras sociais japonesas, ou não fosse o livro escrito por um ocidental.

As actrizes são excelentes o que não foi surpresa, Zhang Ziyi, Gong Li, Michelle Yeoh estão muito bem:


*Clicar na imagem para aceder ao site do filme

Não será o melhor filme asiático que vi, mas é interessante, belo,bem representado.

Terminámos ontem com "Walk the line":
De todos foi o que menos me tocou, apesar das boas representações de Joaquin Phoenix e de Reese Witherspoon. Esta história da vida do cantor que passa pela droga, etc... diz-me pouco.Talvez porque Johnny Cash não é um músico que conheça bem nem que aprecie especialmente, talvez... Mas passei um bom momento.

*Clicar na imagem para aceder ao site do filme.

sexta-feira, março 03, 2006

Sopro Vital III

Sinto a dor nos músculos, nos tendões que se agarram à tensão com que os dopo durante a semana. Concentro-me nos pontos de dor, respiro compassadamente. Transpiro, tento concentrar-me em mim. Não consigo. Aceito, então, os meus limites, deixo de forçar o músculo, consigo respirar e a dor desvanece-se.
Estou a fazer yoga :-)

Deixar não consigo...

Foto de Luís Fernandes

de pensar na língua áspera depois de comer um marmelo verde,
melancolia com música,
frio com dor, com pedra lisa, com humidade,
cheiro dos lençóis pela manhã,
adormecer exausta,
amar com dúvidas
odiar com remorsos,
... e um dia a morte virá.

"Une journée particulière"


1938,Itália, Roma. Uma dona de casa, mãe de uma família numerosa encontra um locutor da rádio afastado das suas funções pelo regime. No espaço de um dia conseguirão criar uma ilha de ternura e esperança no mar do terror fascista que se instala.
É sempre bom recordar o que fazem as tentações de ordem, autoritarismo e superioridade.
De Ettore Scola, Ruggero Maccari e Gigliola Fantoni, a peça encontra-se agora em cena no Théâtre Le Public em Bruxelas. Muito bem adaptada e extremamente bem representada.

Para mais informações sobre a peça e Teatro clicar aqui .

quinta-feira, março 02, 2006

Nota de bom humor :-)



Clique na imagem e tenha uma boa Quinta-feira. É mais um video genial do Cube-creative (talvez seja necessário esperar alguns segundos).

quarta-feira, março 01, 2006

3 anos

Faz hoje três anos que despertei com o beijo que te dei.Que despertáste com o beijo que me deste. E ainda hoje de manhã ao acordar pensei: que lindos são os teus olhos. Gosto do teu antebraço, do teu dorso, do teu calcanhar, do teu sorriso matreiro. Gosto da tua pronúncia, do teu esforço, da tua comida, do teu ombro. Gosto da cova macia da tua planta do pé quando dormes e do teu cheiro a cachorrinho de leite.Gosto da tua voz, do teu coração. Gosto de como sou contigo. Porque esperáste por mim quando teimei que não te queria.Um grande beijo meu querido A.

"Fliquez pas les bébés!"

*Clicar na imagem para aumentar


Já tinha lido este artigo, mas um post no blogue "Puxa-palavra" voltou a chamar-me à atenção para esta situação. Resumindo, o Inserm (Instituto Nacional francês da Saúde e Investigação médica) efectuou um estudo em cujas conclusões convida pais, professores,profissionais da saúde a estarem atentos aos "factores de risco"desde a idade do pré-escolar, ou seja desde os 3 anos.Tudo com o objectivo de neutralizar "tendências que desviem da norma" por todos os meios possiveis. Mais concretamente, detectar perturbações precoces do comportamento que permitam identificar, quiça, um futuro psicopata ou marginal. Tudo isto evoca assustadoramente "Big brother is watching you" e o "Eugenismo" que surge ciclicamente de mão dada com tendências ditatoriais. O que fazemos com as nossas crianças, como as educamos, como as amamos? Como deixamos que sejam elas mesmas, que se afirmem? Que sociedade pensam criar? Será que pensam sequer?Como seria Einstein na sua enfância? Como era eu? Como fomos todos nós? Todos iguais e bem comportadinhos? Duvido muito. Mas melhor que eu escreve Michèlle Fitoussi no editorial que acima reproduzo.