quarta-feira, abril 26, 2006

Dedução auditiva

Quem pensa que a globalização é um fenómeno dos finais do séc. XX e do séc. XXI é porque nunca ouviu Maltês. A experiência para além de muito curiosa revela a história daquela ilha, para tal bastando uma frase completamente inócua. Depois de um "Grazie" segue-se uma palavra inglesa, duas árabes, mais três italianas com declinações árabes... enfim o que acontece com todas as línguas é ainda mais evidente no Maltês. Não será a globalização o nosso movimento desde o início? Só que hoje temos consciência dele. Mais consciência. That's all.

terça-feira, abril 25, 2006

OBRIGADA :-)


Pela coragem de mudar, de arriscar, de acreditar. Pela vida que tenho. Pela que sempre tive. Pelas memórias que não tenho, pelos tiques, pelos medos e pesadelos que nunca terei, pelos sonhos que não terei de adiar.Pelo horizonte largo. Pelos cravos nas armas, pela poesia num momento difícil. Estou ciente do valor do que me parece óbvio e um dado adquirido: a Democracia, a Liberdade. Obrigada do fundo do coração, Sofia:-)
A foto fui buscá-la aqui.

sexta-feira, abril 21, 2006

Printemps à Paris...


Cheguei e já estou de saída. Mas este passeio será curtinho, será mais uma visita de "médico" a Paris.
Vou passear , ver amigos, ver lojas e ... comer uma das coisas que curiosamente me sabe bem em Paris até porque só conheço os de lá: os restaurantes japoneses, propriedade de chineses na sua maioria,na rue Monsieur Le Prince (perto dos Jardins du Luxembourg), onde se comem umas espetadas por tuta e meia que são deliciosas. Aqui fica a dica, digam lá quem é amiguinha, quem é... ;-)

quarta-feira, abril 19, 2006

Memória



500 anos do Massacre de Lisboa 1506-2006

A primeira vez que visitei Amesterdão fui visitar a Sinagoga portuguesa. Assim se chama, ainda hoje. Encontrei lá visitas e brochuras em português. Mas mais do que isso, encontrei os nossos nomes escritos nos bancos. Não eram números, eram e ainda são hoje, nomes e são nossos. Também lá estava o meu. Comovi-me. O mesmo me aconteceu em Salónica, Istambul e até em Praga encontrei os nossos nomes que tiveram de fugir para não serem mortos ou espoliados. Disto sabemos mas não falamos. Sabemos pouco e não falamos nada. É estranho. Passados 500 anos seria bom que já pudessemos falar abertamente sobre o nosso lado mais obscuro. A paz connosco também passa por aí.

Estou de volta:-)

Foi bom enquanto durou. Ficou a saber-me a pouco . Hoje aqui faz sol, a transição é menos difícil.

domingo, abril 09, 2006

Férias

sábado, abril 08, 2006

Fazer as malas

Claudia Cardinale

Hoje é o dia anterior à partida. Ficam mil coisas para fazer neste dia. Mas começou bem com uma belíssima massagem de reflexologia para começar o a descomprimir.
Falta fazer compras, ir ao Yoga, jantar com amigos e só quando não houver mais nada, nadinha para fazer, então sim irei fazer a mala à boa maneira de Sofia. À última da hora, para não me esquecer de nada;-) Felizmente tenho uma lista.

sexta-feira, abril 07, 2006

Salvem-me da Meteo


Céu cinzento, promessa de 0ºC, fico sempre assim melodramática, excessiva, "italiana meridionale".
E se é para ser assim, então que seja em grande estilo! :

Pink Martini:

"Una notte a Napoli, colla la luna e il mare
Ho incontrato un angelo, che non poteva più volare,
Una notte à Napoli , delle stelle si scordó
E anche senza alli, in cielo mi portò.

Con lui volando lontano dalla Terra
Dimenticando le tristezze della sera
In Paradiso oltre le nuvole, pazzero amore come le luciole,

Quanto tempo può durare, quante notti da sognare,
Quante ore, quanti giorni e carezze infinite

Quando ami da morire, chiudì gli occhi e non pensare
Il tempo passa, l'amore scompare e la danza finirà

Una notte a Napoli, colla la luna e il mare
Ho incontrato un angelo, che non poteva più volare,
Una notte à Napoli , delle stelle si scordò
E anche senza alli, in cielo mi portò.

Ma quando il cuore mi ha spezzato
Ed in cielo mi ha abbandonato
Adesso sulla Terra son' tornata
Mai più amare, mi sono rassegnata

Quanto tempo può durare, quante notti da sognare
Quante ore, quanti giorni e carezze infinite

Quando ami da morire, chiudì gli occhi
E non pensare
Il tempo passa l'amore scompare e la danza finirà

Una notte a Napoli, colla la luna e il mare
Ho incontrato un angelo, che non poteva più volare,
Una notte à Napoli , delle stelle si scordò
E anche senza alli, in cielo mi portò

In cielo mi portò
In cielo mi portò
in cielo mi portò..."

E pronto, já me sinto muito melhor:-)

*Foto de Anna Magnani

quinta-feira, abril 06, 2006

Encontros felizes

Pergunta:Qual o resultado da mistura de um chinês nascido em Banguecoque com uma portuguesa?

Resposta: Um caril de frango, regado de vinho branco e polvilhado de montanhas de louro e alho;-)

Largar as rédeas (sonho que não foi pesadelo)

De cima observo. Ela está na rua rodeada de pessoas, há um homem ao seu lado. É uma jovem mulher, cabelos compridos escuros, saia até ao joelho ,camisa. Vai morrer. Sinto medo e angústia. Fica tudo escuro, negro como breu.Não vejo nada. Ela vai morrer e a morte é tudo escuro,opaco. Ela vira-se diz que não. Pode ser também o lenço que levanta no braço num gesto lento, seguindo a brisa. Larga o lenço que lentamente se afasta esvoaçando com o vento e ela cai lentamente como uma folha, aos poucos deposita-se suavemente no chão. Morreu. Sinto-me sem medo, serena, cheia de oxigénio com o sopro da brisa morna. Depois, ela levanta-se conversa vive, a vida segue e está tudo bem.

terça-feira, abril 04, 2006

4 de Abril



Sabes mãe, nesta vida oscilo entre o cordão umbilical que tenho de cortar e a saudade da segurança do teu ventre. Tenho de ser eu mãe, por oposição a ti. Isto dói-te, não é? Desculpa, mas não posso ser, fazer de outra forma. É a minha luta, o meu caminho.

Sabes mãe, às vezes é violento , queres deter-me, agarrar-me. Sofres, eu já não sou de ti.

E o que me dá força para nascer, irromper, ser eu? É o amor que me deste a vida toda. É ele que me dá asas e me afasta de ti. É a tua grande lição de Amor.

Para ti esta flor, a minha primeira orquídea minha querida mãe. Amo-te. Neste dia que recordas o teu caminho, a tua luta, tu filha também,Parabéns:-)

segunda-feira, abril 03, 2006

Sinfonia de Palavras


Foi depois de ler este post da mad'moiselle C. que descobri que existem uns "morangos" que se chamam Tagada. Digam-me lá se as línguas não são uma constante fonte de inspiração? É um prazer dizer "Tagada", dá vontade de cantar tagada ga da ga da...improvisar em jeito de jazz. É por isso que nunca deixarei de me maravilhar com a/as língua/as. Há assim palavras que me apetece repetir, porque definem tão bem um conceito ou porque são autêntica música, brincadeira de sons. Como "pipistrello" (morcego em italiano), não é lindo? Ou "bocadinho", não conheço estrangeiro/a que não se encante por este diminutivo. Ou ainda "pompoen" (lê-se pompun e é abóbora em neerlandês). Melhor só mesmo "pompoem soep". Parece nome de gato ou alcunha carinhosa de amantes.
Boa semana!

Et maintenant en français au cas oú mad'moiselle C. me lirait:
C'est grâce à ce post que j'ai découvert les fraises "Tagada". Vrai ou pas vrai que les langues sont une source constante d'inspiration? C'est un plaisir de pronnoncer "Tagada", cela me donne envie de chanter tagada ga da ga da... de l'improvisation comme du jazz. C'est pourquoi je ne m'en lasserai jamais des langues. Il y a des mots que je m'amuse à répeter car ils traduisent parfaitement un concept ou parce qu'ils constituent un morceau de musique, un jeu de sonorités. Prenons "pipistrello" (chauve-souris en italien) super mignon, non? Ou "bocadinho" ( "boucadignou", un petit peu, en portugais), je connais très peu d'étrangers qui ne trouvent pas ça trop mimi. Ou encore pompoen ( pompoun, courge en neerlandais). Mieux encore pompoen soep. On dirait le nom d'un chat ou le petit nom de deux amoureux.
Bonne semaine!
Fraises Tagada são.

sábado, abril 01, 2006

1 de Abril


Dauphin d'avril ;-)