quinta-feira, julho 31, 2008

30º C à sombra

Assim tal e qual, estão 30ºC à sombra hoje em Bruxelas. Isto é para nos calar depois de meses de ranzinzice por causa da chuva, do cinzento, etc... O grupo de sábios belgas ( três mediadores) que foi convocado para encontrar uma solução para a actual crise entregou hoje um relatório ao rei e parece que a sabedoria não chegou, vamos ter de esperar por novo relatório em Setembro. Entretanto a Bélgica ainda existe e vai funcionando, confirmo. Apesar da falta de lógica que caracteriza muito do que aqui de passa no quotidiano, aprecio e admiro cada vez mais a capacidade que eles têm de canalizar os desentendimentos, agressões, ódios para a esfera democrática. Em quantos lugares do mundo tudo isto não se teria já saldado por uma matança sanguinária? Bruxelas existe, cada vez mais cara, sim, mas de balas e catanas não reza a história.
Em contrapartida, os Apéros urbains voltaram este Verão, é aproveitar enquanto o tempo deixa...

Faltava cá este...

O Diário Económico achou que não dispunha de fazedores de opinião que apresentassem ideias suficientemente conservadoras e resolveu reproduzir a tradução dum artigo de Miguel Ángel Belloso. Ele é bandeira, Zapatero ridículo, a esquerda não tem moral e é libertina, tudo sob a capa de um elogio a Obama, todos os pretextos são bons... e todos os países têm os seus bota-abaixo ressabiados...

segunda-feira, julho 28, 2008

De regresso...

...a Bruxelas sinto-me outra depois duma simples semaninha em Portugal. Aquele ar do mar, aquela comidinha revigora qualquer um. De manhã foram passeios pela praia de São Martinho, seguidos de jogging e depois mergulho no mar. Enquanto corria pela areia, manhã cedinho , via a miudagem dos campos de férias em alegre algazarra a correr para o mar, a brincar. Os grupos eram muitos e todas as manhãs lá encontrei vários. "Tal e qual como no nosso tempo" dizia uma tia minha ironicamente, "também nos traziam a todos à praia a brincar todos os dias, ainda dizem que as coisas estão pior...". Pois é. Com os relatos lidos nos jornais antes de ir, até podia esperar um país em estado de sítio, silvos de balas a cada dois minutos, classes médias maciçamente na rua a pedir, enfim, o caos resumindo. Poderia ter pensado isso mas não pensei, já sei o que a casa gasta.
De volta a Bruxelas o bicho do mato que há em mim compraz-se na cidade quase vazia. Conduz-se mais calmamente, o ritmo de vida abrandou e no entanto chego mais cedo a todo o lado. Pelos vistos tive sorte, o mau tempo da semana passada deu lugar a um calor húmido, muito bruxelense também, que me evitou um choque térmico à chegada. Também gosto de voltar à minha casa, ao meu ninho no plat pays. E confirmo, ontem a Bélgica ainda existia e hoje também. Nos tempos que correm convém ir confirmando a coisa a intervalos regulares.

domingo, julho 27, 2008

Horas felizes

Hoje de manhã a caminhada matinal levou-nos durante 45 minutos pelas ruelas e estradas que atravessam povoados e lugares perto do local onde os meus pais vivem. A chuva que parecia ameaçar afastou-se, o sol irrompeu aos poucos. O ar estava morno, fresco, as ervas dos campos cheiravam bem. Aqui e ali o aroma a tília dalgum quintal. Subindo uma ladeira entre casas com caves altas, casas de agricultores e casas térreas caiadas, começou a cheirar a pão de forno a lenha. Fumegava uma chaminé. Mais à frente cantaram esganiçados dois coquichos e depois o ar perfumou-se com o doce cheiro das cavacas (cavacas das Caldas).


sexta-feira, julho 25, 2008

Ora, aleluia !

Tenho estado em Portugal e por isso menos assídua aqui no blogue. Ontem, ou terá sido anteontem, as férias baralham-me a noção de tempo, enfim, como dizia ontem na RTP1 passou uma reportagem sobre a Quinta da Fonte. Eu tinha pedido/desejado algo assim neste post

A reportagem foi feita por Mafalda Gameiro, entre outros. Gostei. Afinal, valeu a pena sentar-me na cadeirinha à espera...

segunda-feira, julho 21, 2008

Hoje o Google recorda...


que é o dia nacional da Bélgica.

sexta-feira, julho 18, 2008

O Quiz de sexta-feira

A propósito das conclusões preliminares da consulta artigo IV do FMI a Portugal em 2008, resolvi fazer aqui um testezinho à forma como os nossos jornais noticiam a coisa.

Quiz de sexta-feira:

Estabeleça a correspondência certa entre os títulos e os jornais em que apareceram:

1-Portugal vive acima das suas possibilidades

2-Portugueses têm de baixar nível de vida

3-FMI diz que governo deve recuar na penalização dos contratos a prazo

4-FMI garante que principais problemas da economia portuguesa são domésticos

5-FMI pede equilíbrio do défice externo


A-Jornal de Notícias

B-Diário económico

C-Público

D-Jornal de Negócios

E-Diário de Notícias

E porque não há nada como pensar pela própria cabecinha, aqui fica o link para as conclusões preliminares do FMI:

"Portugal: 2008 Article IV Consultation, Preliminary conclusions of the mission"

quinta-feira, julho 17, 2008

Vou ali buscar uma cadeirinha

Para quem está longe da pátria, como é o meu caso e vai acompanhando o que se passa pelos jornais e telejornais fica difícil perceber o que se passou ao certo na tal Quinta da Fonte. O que já vi de sobra foram entrevistas a moradores pelados de medo e a mudarem-se de mala e cuia para outro lado. As versões são inúmeras seguidas de apresentadores que falam mais ou menos aos gritos. Alguém lhes diga que não é preciso gritarem, é por isso que lá está o microfone. Qualquer dia oiço-os em directo aqui, bastar-me-á ir à janela.
Estou à espera dum documentário/reportagem mais pausada que apresente um pano de fundo, historial do bairro, composição, acontecimentos recentes, histórias semelhantes de sucesso e fracasso. A problemática contextualizada a nível nacional. A opinião de sociólogos (vários), e não apenas do cidadão comum, que não desfazendo para isso tenho a minha, enfim, isto é só uma ideia. E já agora, por que não, exemplos de casos e soluções encontradas noutros países, dado que, embora por vezes se esqueçam, em nada ou quase nada somos caso único. Tudo sem gritos, sem ar de regateio, nem trejeitos de quem está a apresentar o circo ou o incrível livro do Guiness. Estou à espera...

Boas ideias...

...precisam-se, ia dizer nos tempos que correm, mas na realidade precisam-se sempre. Renato Carmo no blog "Pensamento do meio-dia" escreve um post interessante sobre a necessidade de qualificação dos empresários portugueses. O post chama-se "Apenas uma ideia" e vale a pena ler. Não sendo uma ideia de todo nova, está ainda por explorar devidamente.

Omar Khadr e Guantanamo

Ana Gomes continua o seu trabalho relativamente aos vôos da CIA sobre o nosso território e com escala no nosso território. Acompanho os posts que vai escrevendo no blog Causa Nossa. Recomendo este post , este e este que colocou ontem online sobre Omar Khadr ( o menor que aparece no video recentemente divulgado nos media).
Nós ocidentais somos tão arrogantes com os nossos julgamentos morais, e mania de nos mostrar-mos ao mundo como exemplos a seguir. Bem podemos gritar depois pelos direitos humanos alhures, inclusive cobertos de razão, ninguém nos ouvirá...

quarta-feira, julho 16, 2008

Sinal vermelho

Ouvir pela terceira vez um holandês dizer idee (ler "aidi") em inglês quando pretende dizer idea e imaginar que os esbofeteio até me doer a mão.
Os "aidi" holandeses são a prova dos nove dos meus estados de exaustão.
Férias precisam-se...

Atitude a adoptar na Bélgica - viver um dia de cada vez

Cartoon de Kroll retirado daqui.

Ontem a Bélgica ainda existia e confirmo que hoje também. Amanhã logo se verá...

terça-feira, julho 15, 2008

Tumultos na China II

Depois dos tumultos de 28 de Junho em Wengan, província de Guizhou que referi aqui o Le Monde noticia hoje tumultos de milhares de trabalhadores migrantes chineses na cidade de Kanmen , província de Zhejiang. Desta feita a revolta surge depois de um trabalhador migrante ter sido agredido pela polícia local. O trabalhador em questão tentava obter uma autorização de residência o que lhe daria direito a protecção social, escola para os filhos e outras regalias sociais. A atitude da polícia suscitou a solidariedade de muitos outros trabalhadores nas mesmas circuntâncias que se revoltaram. Para ler o artigo em questão clicar aqui.
Repito o que escrevi no post de 30 de Junho:
"Quem deixou os chineses ganhar o gosto pelas manifestações contra o Carrefour se calhar despertou algo adormecido... Como conta John Pomfret do Washington Post nesta entrevista da UCTV, em 89 também começou tudo com umas manifestações estudantis contra os estudantes africanos em Nanquim e depois a coisa ganhou vida própria."
Situação a acompanhar...

sábado, julho 12, 2008

Bom fim-de-semana!

*Foto retirada daqui
Lá fora chove a intervalos regulares. Arrefeceu há já alguns dias. Tomo o meu chá Pu Er enquanto oiço Cat Power e escrevo no blog. O Sr. A e respectivo irmão ja sairam. Estou aqui numa paz, uma calma, dir-se-ia um Sábado de Outono. Tal e qual. Já maldisse o tempo belga, Bruxelas e a Bélgica inteira durante a semana por este tempo injusto. Mas agora mesmo, este momento outonal está a saber-me muito bem. Também porque "já estou farta de falar" do tempo, parafraseando em parte o C. Ronaldo. Seja como for, daqui a uma semana vou para Portugal. Pode desabar o céu se quiser, felizmente, já vejo a minha luz ao fundo do "Verão" bruxelense...:-)

terça-feira, julho 08, 2008

Uau!


Toyota I-real. Digam lá se não é genial? Admiro a Toyota por ter começado a repensar a mobilidade, com outras fontes de energia antes das outras grandes marcas de automóveis. Veja-se o exemplo do Prius, hoje amplamente comercializado.
A dificuldade aguça o engenho. A este respeito Ferreira Fernandes escreve um artigo de opinião interessante no DN de hoje.

Previsões...ou Bola de Cristal?

Por ordem na papelada revela-se uma forma de ver o que aconteceu nos últimos meses. De todo o correio que tinha para arquivar dou com uma publicidade do BNP-Paribas aliciando-me a investir porque e cito " L'économie européenne a le vent en poupe". Intrigada fui ver a data, Julho de 2007. Ah, pois é...
Ontem no supermercado uma senhora olhava escandalizada o recibo das compras. Por fim, virou-se para mim e desabafou:" C'est cher, c'est ça la Bélgique maintenant, c'est la déprime".
Os saldos começaram mais cedo este ano e para já registam uma quebra de 5% do volume de negócios em relação às primeiras semanas do ano passado...aqui...em Bruxelas, como se pode ler neste artigo do Le Soir. A economia belga abranda no primeiro semestre . Abrandar ou "ralentir" como eles dizem significa progredir mais lentamente. E caso a dúvida surja, escrevo-vos de Bruxelas, não de Lisboa...

segunda-feira, julho 07, 2008

Vale a pena ler...

... a análise que é feita da qualidade dos jornalistas durante a entrevista a José Sócrates neste post do blog "Aspirina B". Só ontem tive oportunidade de ver a dita entrevista e fiquei exactamente com a mesma opinião. Ter o homem ali à mão de semear e nem uma perguntinha pertinente, nem um questionamento sobre políticas de médio prazo, novos paradigmas de crescimento económico dada a necessidade de eficiência energética, já para não falar da UE com o Não irlandês tão recente. Confrangedor...

Quem não vê é como quem não sabe...

Hoje os comissários europeus Kovacs e Kroes apresentaram duas proprostas que visam reforçar a capacidade dos estados-membros de tomarem medidas que ajudem os seus cidadãos e certos sectores económicos a fazer face à crise mundial.
Kovacs propõe um pacote de bens e serviços em que será possível aplicar taxas reduzidas do IVA. Para mais informação clicar aqui.
Kroes propões uma lista de sectores que poderão passar a receber auxílios estatais sem necessidade de notificação prévia da Comissão. Ou seja, mais dinheiro para certos sectores, mais depressa, com menos burocracia. Para mais informação clicar aqui. A proposta intitula-se GBER -General Block Exemption Regulation.
Percorri os jornais portugueses e não encontrei qualquer referência, à excepção dum pequeno artigo do Público que apresenta uma versão redutora da proposta relativa ao IVA. Neste artigo refere-se apenas a restauração. A proposta abrange produtos e serviços locais de mão-de-obra intensiva: restaurantes e cafés, sim, mas também, cabeleireiros, reparações, serviços de limpeza, prestação de cuidados ao domicílio, pequenas reparações de calçado, vestuário, motos e bicicletas, obras de reparação e renovação de habitação privada, serviços de jardinagem, serviços de vigilância. Estes são apenas exemplos, no link que forneço mais acima podem encontrar perguntas e respostas mais frequentes sobre a proposta assim como a proposta na íntegra.
As medidas apresentadas são voluntárias, ou seja, os governos recorrerão a elas apenas se quiserem.
Não se espantem se o governo propuser medidas desta natureza nas próximas semanas ou meses. Se o fizer, ainda bem. Espero que justique a sua origem e não tente ficar com os louros, coisa que todos os governos (portugueses e não só) fizeram e fazem sem excepção. Depois utiliza-se a Comissão como bode expiatório...
Mas o mais chocante, é a ausência de interesse dos media pelas propostas. Na própria sala de imprensa havia mais moscas que jornalistas. Todas as propostas são diariamente apresentadas em conferências de imprensa. As notícias que não anunciam catástrofe não vendem...
Acrescento: É importante saber que estas são propostas da Comissão Europeia. Isto significa que ainda terão de passar pelo crivo dos Ministros das Finanças da UE, reunidos em Conselho Ecofin. Para que as propostas sejam rapidamente aplicadas terão de ser aprovadas pelos ministros das finanças dos 27. Se alguém se opuser...

domingo, julho 06, 2008

Uma boa notícia

Número de mortes nas estradas desceu para metade entre 2000 e 2006.

"O presidente da ANSR destacou a melhoria da rede viária, a introdução de medidas de acalmia de tráfego urbano, as inspecções periódicas, o aumento das coimas, a obrigatoriedade dos condutores dos veículos pesados usarem cintos de segurança como algumas das medidas que ajudaram na redução do número de acidentes e de mortos nas estradas. Paulo Marques enumerou ainda as alterações do código da estrada em 2005, a obrigatoriedade do pagamento das coimas no local e o aumento da fiscalização por parte das forças de segurança como outros factores. " retirado do mesmo artigo do Público.

sexta-feira, julho 04, 2008

Aha...

Banco mundial: biocombustíveis fizeram preços dos alimentos disparar 75% desde 2002.

Elementos para minha reflexão:

Aposta nos biocombustíveis porquê? Escassez anunciada do petróleo.

Escassez do petróleo porquê? Recurso limitado e procura cada vez maior.

Vai sempre tudo parar ao mesmo, que alternativas sustentáveis para o objecto da nossa grande dependência: OIL ?

E quando for a Água?

Pistas de reflexão no hors série nº243 da Science et Vie.

Mas que grande surpresa...

Filomena Mónica escreve hoje um artigo no Público em que arrasa os exames de português. A MFL pessimista, a antever o dia do juízo a cada esquina, enojada com o nosso pardieiro? Naaa, pode lá isso ser... Moral da história: nada de novo debaixo do Sol.
No dia em que MFL e VPV não acharem que está tudo perdido, que somos uns eternos atrasados, etc... é que eu me preocuparei. Nesse dia, a pardalada ficará alvoroçada nas árvores, os cães uivarão, os gatos esgueirar-se-ão por debaixo das portas, os cavalos ficarão agitados (e não será porque não chove em Bruxelas). Eu nesse dia nem saio da cama, sinceramente.

E que tal amadurecermos politicamente?

Chegada esta altura da legislatura começa a já conhecida lenga-lenga do "está a fazer campanha", sempre com um tom de reprovação implícito. O primeiro-ministro "está a fazer campanha", tss,tss, a líder do maior partido da oposição está a fazer campanha, tss, tss e assim por diante.
Ora as regras do jogo são conhecidas:
Quem conhece o funcionamento dum sistema democrático sabe que os governos e oposições são resultado de eleições. Para se ser eleito para uma assembleia ou governo há que ganhar um determinado número de votos. Quem vota são os eleitores de acordo com a sua cosnciência. A sua consciência é o resultado do juízo que fazem dos candidatos. Daí que estes para serem eleitos se esmerem por parecer merecedores do voto.
Tudo muito óbvio. Em qualquer país que conheço existem estes ciclos: período de graça, fim do período de graça, governação em velocidade cruzeiro com alguns momentos difíceis, pré-campanha, período do tabú, campanha a sério. Isto, claro está, quando tudo corre bem e não quando acontece não haver período de graça, ou quando alguém se pira quando era suposto começar a velocidade de cruzeiro.
As regra são estas, conhecendo-as utilizamos o que é dito e feito para ir formando a nossa opinião.
Por favor, deixem-se é de exclamações quais virgens ofendidas: "estão a fazer campanha". Parece que foi ontem que entraram num regime democrático.

quinta-feira, julho 03, 2008

Ingrid Betancourt

imagem retirada daqui
Finalmente livre. Revejo as imagens do reencontro com a mãe e mais tarde com os filhos e não consigo deixar de chorar. Até anteontem Ingrid não sabia que os ia rever tão cedo. Um dia de esperança.

A dor é uma ilusão...e o cheiro também?

Agora que acabei de lamber o último restinho de iogurte, depois de uma saudável salada para por termo ao desvario glutão em que andava, o Sr. A resolveu cozinhar o jantar...dele. Aiiiii, cheira tão bem...

Deve haver quem nasça já ensinado

Acabei de ouvir agora Henrique Medina Ferreira dizer: "Eu deixei de ensinar porque estava farto de ignorantes". Ouvi isto mesmo, num video do programa Negócios da Semana da SIC.
Um professor com aversão à ignorância, é como ...um intérprete com aversão a línguas. De facto, a solução mais lúcida é retirar-se.

quarta-feira, julho 02, 2008

Má literatura e iliteracia

São os dois males que identifico nos mais recentes acontecimentos políticos em Portugal.
"O menino de ouro" ?! Que raio de livros lêem para pensar em tal título? " O menino de ouro" ?! Este título podia ficar bem a alguém nos anos 50 do século passado, em Portugal e não só. Mas estamos no séc.XXI! Meus amigos, duvido que convençam/interessem alguém na casa dos 30 e menos... e possivelmente mais.
Já a líder do PSD parece saídinha doutros tempos, ou então da Irlanda de hoje em dia, pode escolher. Também sofre de iliteracia, não parece ter lido os relatórios mais recentes da OCDE, o que muito me espanta, sempre pensei que fossem da sua preferência.
E a minha geração é que é rasca? ...

terça-feira, julho 01, 2008

Sounds familiar

"Mas todos sabemos que o país e, em particular, a Administração Pública está cheio de pequenos Mugabes, gente sem qualidades para exercer cargos de liderança, que estão mais ocupados a gerir o seu estatuto do que a promover a qualidade dos seus serviços. São demasiados os dirigentes portugueses que apreciam ideias novas, que aceitam quadros com ambição, as novas ideias desvalorizam-nos os quadros que as defendem colocam os seus lugares em perigo."
Retirado deste post do blog "O Jumento". Assim de repente ler esta passagem lembra-me alguma coisa e eu não vivo/trabalho em Portugal.