sábado, outubro 11, 2008

Minha querida Misscat


Um dia, há menos de 1 ano, apareceu uma meia-leca de gato, miando e tremendo no jardim dos meus pais. Muito pequenino, com ar doente de quem já só dura 1 dia, 2 se tanto. Ali se aninhou com ar de quem já não sai. E em boa verdade escolheu bem. Foi acolhida, mimada, levada ao veterinário, vitaminada, vacinada. Teve direito a cama quente, com tecto, comida. E muitos mimos. Por esta altura já se sabia que era gata. Chamou-se-lhe misscat, embora este fosse só o nome oficial, o do B.I digamos assim. Tinha vários, mais ou menos carinhosos, e reconhecia-os todos. Desde cedo misscat retribuiu em dobro ou triplo o carinho que lhe dedicavam. O seu ar malhado, com um olho de cada cor, os dois muito grandes num focinho afilado, davam-lhe um ar ladino, besnica, sardanisca como lhe chamava a minha mãe. Tinha alma selvagem e trepava tudo o que lhe aparecia. Apreciava o mundo das alturas. Era meiga, brincalhona e faladora. Interrogava-nos, falava-nos e resmungava quando contrariada, sim, sim, era mesmo assim. Sempre desafiando para a brincadeira, mordiscava com jeitinho e lambia com a sua língua áspera. Reclamava atenção sentando-se à frente do ecrã do computador se preciso fosse, trepava-nos para os ombros, metia-se com os dedos que escreviam no teclado, deitava-se sobre a impressora, a roupa lavada e passada... abeirava-se das nossas conversas apoiando as patitas sobre a nossa cabeça.
Encontrou uma casa com um espaço para ocupar e ocupou-o sem cerimónias, encheu-o todinho. Era impossível imaginar o escritório do meu pai sem ela ou o pessegueiro sem sua excelência lá pendurada.
Ontem morreu sem mais nem menos. Depois da correreria pelo jardim e da brincadeira costumeira morreu de repente perto da sua cama e da comida. Não consigo acreditar. Eu adorava esta gata, toda a família a adorava. Custa-me saber que não estive lá para lhe fazer uma festa no fim, um carinho. Aquele espaço todo que ocupou está agora tão vazio.

6 Comments:

Anonymous Nuno said...

por insignificante que seja, gostava de te mandar um beijinho. Ainda me lembro bem do que foi quando morreu o meu cão. Enfim, raio da bicharada que se entranha.

sábado, outubro 11, 2008 10:34:00 da tarde  
Blogger S said...

Obrigada Nuno:-) Entranha-se mesmo, o afecto com os animais é muito bom, simples e bom. Beijos,Sofia

domingo, outubro 12, 2008 12:34:00 da manhã  
Blogger Patti said...

Tive uma dor igual, mas aumentada pelo sofrimento que a minha passou antes de morrer e compreendo o que sentes.
Se te serve de alento, pelo menos a tua Misscat, não sofreu, o que para quem ama um animal de estimação, como demonstraste neste post, já te poderá servir como um alívio.

Era linda!

domingo, outubro 12, 2008 11:29:00 da tarde  
Blogger ma grande folle de soeur said...

Pois é... tb eles nos fazem muita falta... abraço.

quarta-feira, outubro 15, 2008 1:55:00 da tarde  
Anonymous handmade jewelry said...

Very good!

quarta-feira, dezembro 31, 2008 9:28:00 da manhã  
Anonymous BlackJack said...

Good blog, but I hope that all the information described in greater detail, and other models to have more information available to us, I just think, you really should be commended for the BLOG!

segunda-feira, janeiro 05, 2009 1:28:00 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home