sábado, fevereiro 27, 2010

Deve ser por ser Sábado...

... este ócio está a dar-me para refrescar a memória. E não é que agora mesmo me recordei que o governo tinha proposto uma lei sobre o pluralismo dos media que foi rejeitada, nomeadamente pelo PSD. E que leio eu incessantemente nos mesmos media? Que se quer apoderar dos media, decapitar uns e açambarcar outros...que por sinal estão nas mãos de quem, de quem? Eu nunca devia ter aprendido a jogar xadrez é o que é ...

O prazer de ler Ferreira Fernandes

Pode parecer fácil o que ele faz, mas essa facilidade aparente só denota domínio da sua arte. Ferreira Fernandes consegue em poucas linhas juntar factos aparentemente díspares e condensar o seu raciocínio e conclusão de forma clara, lapidar. Gostava de conhecê-lo.
E aqui fica o link para o seu último artigo: As bizantinices que para aí vão.

Wake up!!

Lia ontem à noite no Le Soir, jornal belga francófono, que a taxa de desemprego belga atingiu este mês os 12,2%. Por essa Europa fora é esta infelizmente a realidade. Mas a Europa, a UE pos-nacional tarda em concretizar-se, na Bélgica andam valões e flamengos à avessas, nós assistimos aos políticos ocupados com denúncias e mais denúncias sem nunca chegarmos a conclusões concretas, em Espanha está na moda culpar os desgraçados dos imigrantes pela crise, em França a estupidez pede que se discuta o que é a identidade nacional.
A crise parece que ainda não é suficientemente grave para acordarmos...

sexta-feira, fevereiro 26, 2010

Então admite lá ponderar...

"Aguiar-Branco admite ponderar moção de censura ao Governo" lê-se agora mesmo no DN online. Este "admite ponderar que se calhar, talvez," cheira muito a barrinho atirado à parede segundo plano escondido com rabo de fora mas mal ensaiado. Como vivemos em democracia, ele que admita, pondere e se quiser faça, se é Homem, vá para além das palavras e faça. O meu cartão de eleitor está guardadinho no mesmo sítio, é só pegar nele à saída para o aeroporto na mesma gaveta de sempre. Porque haverá eleições e votarei em quem entender, como todos nós, obviamente. Sim, depois de tanto clamarem "asfixia democrática" haverá eleições, não é?
Então pondere lá, se faz favor...

segunda-feira, fevereiro 22, 2010

Falta de ética, chico-espertice ou simples estupidez?

Esta história do TagusPark deve provavelmente ser um pouco de cada, de acordo com o que leio aqui.

ZZzzzzzzzzz...

Apercebi-me agora que voltou à blogoesfera portuguesa mais lida a polémica sobre o anonimato dos bloggers. Claramente, há no meu país e deduzo que noutros também, quem nunca venha a perceber o que é a blogoesfera. Por isso, não vou explicar. Para quê explicar o óbvio que ocupa milhões no mundo inteiro, indiferentes a esta lacuna num qualquer neurónio duns quantos maduros perdidos no seu carácter muito control freak, muito à côté de la plaque. Fui ali ver se isto perturbava os tais milhões da blogoesfera e a resposta que obtive está ali no título...a melhor e única, de facto.

Tomando nota...

Ainda a semana passada li artigos e posts sobre esses artigos onde americanos e não só apontavam o dedo à arrogância europeia que tinha querido criar o Euro. Os habituais idiotas ingénuos da lusa pátria logo fizeram coro. Agora isto. Do mais execrável desse magnífico mundo que é o liberalismo selvagem acarinhado por parte do mundo anglo-saxónico e por certas eminências pardas europeias, agora desacreditadas e muito ressabiadas, nomeadamente na minha querida lusa pátria.
Tomo nota, tomo nota...

segunda-feira, fevereiro 15, 2010

Tributo

A todas e todos os vigaristas, voyeurs e maluquinhos que me andam há meses a mandar comentários a posts aconselhando-me viagra, perguntado-me como fazer coisas de informática e outras que nem percebo dado que por vezes são em japonês...e não só. Como sou toda-poderosa neste blog, não publico, nem publicarei um único. Azar, he,he. Mas achei que mereciam uma menção especial. Aqui fica...pois.

quinta-feira, fevereiro 11, 2010

A sensatez no meio da algazarra

Leia-se este post do Miguel Carvalho no blog Fado Positivo. Eu já disse isto tantas vezes , mas dizer isto em Portugal equivale quase a ser linchada em praça pública...quase, por isso é que ainda aqui ando ;-)
O que de facto choca em Portugal, é o nível dos salários mais baixos. É a disparidade entre os que ganham pouco e os que começam a ganhar razoavelmentee e muito. A classe média portuguesa não tem uma vida muito diferente das classes médias que tenho visto noutros países da europa ocidental (só esta afirmação me costuma valer um olhar de incredulidade e de ódio).
Ocorre-me uma pergunta: quantas pessoas das classes média e alta portuguesas estariam dispostas a ter uma diferença salarial inferior em relação aos trabalhadores menos remunerados? Por outras palavras aceitariam ganhar mais ou menos o mesmo ou pouco mais e que os salários mais baixos se aproximassem dos seus? Que o porteiro ou empregado de mesa ganhasse quase o mesmo? Ou menos, mas pouco menos? Ou que a diferença salarial se acentuasse a partir do meio da carreira e final da carreira e ainda assim fosse menor do que agora?
Fazendo a pergunta de outra forma: sentiam-se menores por isso? Abririam mão de serem tratados de "Doutores"?
É só por curiosidade...

Regressada de viagem

Estive uns dias em San Sebastian, cidade e região por onde nunca tinha andado. Andei muito, dado que é plana e bonita.
Comi e bebi bem, de saudosa memória ficará um pregado fresquíssimo, uns pinchos do "Bergara" e uma Cidreria. Choveu e ventou que parecia o dilúvio. Mas o mar cheirava a mar e até a baía me lembrou a concha de São Martinho.
Não ouvi falar basco em parte alguma. Vi algumas bandeiras nacionalistas e bares de frequência preferencialmente independentista.
Vi muitos polícias com a sua "txapela" e li no jornal que descobriram um esconderijo da ETA em Óbidos. Por sinal também na minha região.
Há quem não saiba a sorte que tem. Nem lá, nem cá.

sexta-feira, fevereiro 05, 2010

Entrevista do 1º Ministro ao Libération.

A ler aqui.

Corrijam-me se estou enganada II

Este governo que já vai no segundo mandato graças a escrutínios eleitorais livres tem sido acusado de querer limitar a liberdade de expressão nos meios de comunicação social de há uns dois anos a esta parte (que eu me lembre, se calhar mais). Acusam-no de pressões, de tentar calar, de claustrofobia democrática, etc.
Porém , acusam-no e nós sabemos disso. Como? Porque o fazem publicamente nos jornais semana sim, semana sim, quase dia sim, dia também. Onde está a mordaça então? Não há acusação que não lhe façam que consigam provar inequivocamente por A mais B. Ou seja criticam sem provas irrefutáveis, falam sem confirmação do que dizem, apresentam como factos simples suposições. Mas fazem-no semana sim, semana sim, dia sim, dia também. Onde está a mordaça, então?
Tudo isto num clima de fugas de informação, de diz que disse, de conjecturas, de probabilidades. Provas inequívocas...nicles. Mas fazem-no na mesma.
Agora é acusado de ter planos para comprar parte dos media, para controlá-los. Isto conta um juíz com um caso em mãos, graças a escutas que terá ouvido. Conta nos jornais relativamente a um caso em mãos. Isto parece ser um detalhe. Ok, imaginemos que é verdade.
O governo, ou o partido do governo , tentaria adquirir meios de comunicação da propriedade de membros da oposição, tentando assim influenciar as notícias a seu favor. A ser verdade não é louvável ... mas o que sim é verdade é que boa parte dos meios de comunicação estão nas mãos de pessoas ligadas ao Psd e as críticas chegam das facções mais conservadoras do Psd ou mesmo do PP . Isto não choca ninguém. Lamento, mas não reconheço moral a quem critica. Estariam mal habituados? Aquilo que vêem como restrição de liberdades não será afinal a necessidade de partilhar o que fora apenas deles?
Nos países das línguas que conheço, os jornais têm uma conotação claramente política, lê-se um jornal para saber o que pensa tal cor política. Isto é verdade em França, Reino Unido, Espanha, Itália, EUA, pelo menos. A concentração de media nas mãos de um ou dois magnatas ligados aos conservadores, à direita inciou-se há já quê? duas décadas? Veja-se Berlsconi, veja-se Rupert Murdoch. Daí a necessidade de o restante espectro político tentar adquirir algum peso nos media também. Os jornais são claras perspectivas da realidade, alguns têm a honestidade de assumirem qual é o seu ponto de partida. Alguns.
Estas são a regras do jogo actuais. Não gosto delas, mas considero que os media podem pelo seu poder influenciar e tentam seguramente influenciar a cena política dos países.
Averigue-se pois mais esta alegação através dos orgãos do estado direito. Mais uma, portanto, a claustrofobia democrática continua a não ser eficaz pelos vistos.
E já agora, todos os que bramaram contra o despesismo e obras públicas desnecessárias como o TGV aprovaram agora a alteração à lei das finanças regionais... tomo a devida nota. É tão fácil apontar o dedo e ser-se irresponsável quando se está na oposição...enquanto eleitora tomo a devida nota.

quinta-feira, fevereiro 04, 2010

É isso mesmo!

Agências de notação de crédito...em total descrédito! , de Ana Gomes no Causa Nossa.

Confesso que já nem leio artigos sobre o que concluem as ditas agências, infelizmente não é o caso de muitos dos actores do mercado...não lhes convém. Já em Portugal, como em muitos países, se não mesmo em todos, a falta de perspectiva duns e a desosnetidade intelectual de quem relata a realidade" são quase patológicas.

Corrijam-me se estou errada...

... mas o Crespo escreveu o artigo que escreveu com base no diz que disse e no mail que enviou que afinal não disse bem, mas depois confirmou-o o outro que presenciou e diz que viu?

Uma perguntinha: isto é jornalismo? Avisem as e os coscuvilheiros de que afinal mudaram de nome e até têm profissão.

Como eu gosto de ler Ferreira Fernades