terça-feira, março 31, 2009

Vale mesmo a pena ler II

Este post muito bem escrito por Sofia Loureiro dos Santos no seu blog Defender o Quadrado.

Vale mesmo a pena ler

Este artigo de Paulo Soares de Pinho no Diário Económico de hoje.

domingo, março 29, 2009

Gostava de me lembrar disto mais vezes

"How far you go in life depends on your being tender with the young, compassionate with the aged, sympathetic with the striving and tolerant of the weak and the strong because some day in life you will have been all of this."
George Washington Carver

sábado, março 28, 2009

Hoje às 20:30 apagam-se as luzes


quinta-feira, março 26, 2009

Isto é o limite dos três meses...

...o corpo e a mente não enganam. Eu não aguento mais de três meses sem uma interrupção digna desse nome. Segunda tive um derrame no olho esquerdo. Afinal nada de grave, mas de muito mau aspecto, coisa para pensar que ia ficar ceguinha e tal, no mínimo. Afinal não, tudo bem, fruto de stress, de tensão exagerada, algo assim.

Agora mesmo estou com ganas de estrafegar um flamenguito que insiste em falar inglês desde esta manhã e não se percebe a pontinha dum corno, valha-me deus.

Respirar fundo, respirar fundo, camelo, grrrr, respirar fundo....

quarta-feira, março 25, 2009

Julgamos os outros pelos nossos padrões de comportamento...

Olha o que me tinha de calhar na rifa

O meu vizinho da frente anda a aprender português na sua versão brasileira. Mal ponho o pé fora de porta ou no último degrau da escada quando regresso abre a porta de rompante e aproveita para uns dedos de conversa na língua de Vinicius. E eu acedo, lá lhe vou respondendo na de Camões. Seria motivo de júbilo não fosse o senhor ser tremendamente chato...e cheirar mal, o que me leva a sentir a mais profunda simpatia e solidariedade pela brasileira que lhe dá aulas de conversação.
A coisa acontece um bocadinho à traição. Hoje, por exemplo, regressava a casa cansada, pronta para entrar em casa e "arrumar as chuteiras" quando ele abre a porta sem aviso e cá vai disto. De acordo com o meu código pessoal e intransmissível de boa conduta com a vizinhança em país estrangeiro, tolero a coisa e mantenho uma atitude amistosa.
Hoje, contou-me que lê todos os dias o Correio de Manhã online. Mantive-me impassível, ou pelo menos tentei, mas não posso jurar que não me tenham tremido as sobrancelhas. E acrescentou: isto está assim tão mal por lá? É só crimes e desgraças. Lá expliquei que aquilo para mim é um tablóide (para mim já disse) ao estilo do Het Laatste Nieuws, igualmente dado ao sensacionalismo. Aaah, já pensava que o país estava muito perigoso. Pois, pois, não mais do que a maioria dos países europeus. Respondi-lhe isto porque é a minha mais profunda convicção.
Já não é a primeira vez que me perguntam se Portugal mergulhou no caos depois de terem lido jornais portugueses, inclusive o Público. De facto, quem não conheça o feitio português lê à letra o que nós dizemos e ainda acredita que somos uma choldra ao estilo da pior ditadura africana. Dou por mim a explicar, não, não, claro, não é o paraíso e temos problemas mas àquilo que lêem descontem metade... no mínimo, os portugueses têm uma necessidade de automaledicência. É uma espécie (de magazine...não) de catárse nacional, de terapia para desopilar o fígado e ficar tudo na mesma como a lesma.
Depois, também há os que visitam o país e vêm de lá muito espantados: afinal aquilo até é desenvolvido, há estradas, há pontes, há autoestradas com aquela coisa que se passa sem parar, os carros param no vermelho, há telefones, água nas torneiras, há museus e hospitais, há Metro, senhores! há Metro e as pessoas esperam em fila para entrar nos transportes. E há internet. Sim, respondo com calma sem deixar que a coisa tampouco descambe para o exagero. É um país normal da Europa meiridional ocidental, com as respectivas qualidades e defeitos enfim...
Quem vive no microcosmos português talvez se aperceba, ou talvez não, mas a imagem que os nossos media por vezes passam de nós próprios é de um exagero estúpido.

sábado, março 21, 2009

E ao sexto dia consecutivo de sol, sexto ?!, sim sexto...

...assim estou eu :-)))

sexta-feira, março 20, 2009

Sarcasmos de Sexta à noite

Seria interessante que algum estudioso, historiador ou outro, não sejamos esquisitos, se debruçasse sobre a pertinência simbólica de cadeiras e nevoeiros na nossa História. Não servindo para mais nada, constituiria pelo menos material inestimável, sim leu bem, para o argumento duma ópera bufa e porque não pensar em grande, um filme dos Monty Python.

quarta-feira, março 18, 2009

Stop corruption

Stop Corruption - Sign the Petition

Encontrei esta petição através dum post de Ana Gomes no blogue Causa Nossa.
Não sei até que ponto as petições funcionam, mas tentar não custa nada, não é ?

Ao terceiro dia consecutivo de sol...

...assim estou eu.

J Haydn-Divertimento For Cello in D Major: Allegro di molto

Ora bem, cara Carlota :-)

estava eu aqui há já alguns dias desanimada e com pensamentos escuros. A corrente era passada a todos e a mim nada. Nem o Carlos Santos que aparece nas caixas de comentários de todo o bicho careta se dignava comentar no meu blog. Isto afecta-nos, há que confessar. Um blogger quer atenção, mas depois consultei o sitemeter, que é aquela coisa que não se diz mas é verdade e já ia em 30 visitas só às 10 da manhã daqui...será que o sitemeter está noutro fuso horário, o da Austrália? Não sei. O que é um facto, é que vou fazer a minha revista de blogues e deparo-me desafiada pela Carlota do blogue Lote 5º 1º-dto a escrever a 5ª frase da página 161 do livro que tenho actualmente em mãos. Nasceu-me alma nova, assim como quando se descobre um sms extraviado de um amor que já se julgava não correspondido e toda a história muda de figura.
O livro que tenho em mãos, ou que passei a ter para procurar a página, é "A case of two cities" do Qiu Xiaolong. Procuro avidamente a página 161 e a 5ª frase da mesma e eis se não quando me deparo com esta frase:
"So he has to go."
Pareceu-me manifestamente pouco, um anti-clímax, enfim, com tanta citação de poetas da dinastia Tang pelo livro fora e relfexões de elevado coturno filósófico sai-me este rato da montanha. Infelizmente, nada posso fazer, esta é de facto a 5ª frase da página 161, bolas!
Seja como for , cara Carlota, obrigada pelo desafio, já me tinha perguntado qual seria a frase em questão:-)
Claudette, Sinapse e Irreligious, que me dizem, alinham na corrente?

terça-feira, março 17, 2009

Mas esta coisa do Geo challenge...

...tem que se lhe diga e o meu comportamento é muito típico. Estava agora aqui a pensar, entre o Senegal e o Malawi não há dúvidas mas já com o Burkina Faso me baralho, o melhor é aparecerem separados.
Lembra-me aquela vez, há muitos séculos, fazia eu o Erasmus em Montpellier. Resolvi aprender a jogar xadrez com os dois co-erasmenses (inventei agora) que lá estavam comigo, de Coimbra. Nunca perdi tantas vezes seguidas, mas a coisa ganhou vida própria, comportamento meu muito típico. A jogatana entrou em modo automático acelerado e um dia, ou melhor uma noite, já de madrugada, vamos, dou por mim a sentar-me, a deslocar o despertador e a voltar a deitar-me, certa de que tinha salvo a Rainha...ou seria a Torre? Adiante, muito típico meu, portanto, ah é verdade, e já disse que acabei a ganhar-lhes? Sim, não sempre mas o suficiente.
E com esta nota de sentida modéstia penso que me vou deitar.

Amor é...

...ouvi-lo no escritório a clicar desenfreadamente, horas em frente ao computador, concentradíssimo e pensar: podes ficar aí a noite toda mas não me ganhas ao Geo challenge do Facebook, hi,hi,hi

E se pudesse visitar a Cidade proíbida agora mesmo?

É possível, basta clicar neste link: http://www.beyondspaceandtime.org/FCBSTWeb/web/index.html ,
do site The Forbidden city beyond space and time e fazer o download . Efectua-se a visita virtual 3D, sob a forma de um visitante virtual. Duarnte a visita é disponiblizada informçao cultural e histórica. Para além disso, é possível participar nos jogos e outras actividades que se desenvolveram na Cidade Proíbida durante as dinastias Ming e Qing (ler ching). Este projecto é o resultado da colaboração entre a IBM e responsáveis do Palace Museum. Já estão na calha projectos semelhantes para o antigo Egipto e Biblioteca do Vaticano.

Não há censura que resista ao espírito humano

Esta é uma realidade que o PCC gostaria de iludir, mas será difícil. Veja-se o recente êxito da canção Cao Ni Ma na China. O mandarim tem destas coisas, tem várias palavras homofonas e homónimas: mesmo som, sentidos diferentes. É a língua ideal para se dizer uma coisa alegando dizer outra. E pronto, censura vai dar uma volta ao bilhar grande.
Cao Ni Ma tanto pode significar erva-lama-cavalo como fuck your mother, insulto comum e bastante depreciativo (que surpresa!) para os chineses. E os trocadilhos são muitos. A censura chinesa não pode pegar na coisa, que apontar ao título duma canção sobre o imaginário animal:erva-lama-cavalo? Para ver o clip da dita canção e respectiva letra clicar aqui, link do Libération explicando a situação. Leiam que vale a pena, toda a letra são trocadilhos com alusões às palavras de Hu Jintao, por exemplo. Genial!

segunda-feira, março 16, 2009

16 de Março de 1974



"Nas vésperas da democracia em Portugal - O golpe das Caldas de 16 de Março de 1974" é uma dissertação de Mestrado em História de Joana Matos Tornada. Foi ontem apresentada nas Caldas da Rainha por ocasião da comemoração do 16 de Março de 1974. Nunca li o livro mas o meu pai esteve lá, enviou-me cópia da folha de rosto que reproduzo.

Quando chego a esta data telefono para casa e dou os parabéns ao meu pai, ou melhor aos meus pais. A História é contada pelos historiadores e é motivo de satisfação que se comecem a ocupar do tema. Mas esta história ouvi-a eu inúmeras vezes na primeira pessoa e posso dizer-vos que agradeço aos dois, um Homem (ser humano) nunca age só.

Não li o livro e não tenho memória do que aconteceu, tinha apenas 1 ano. Sempre que chega esta data e depois o 25 de Abril é com reconhecimento que agradeço "quem se mexeu", quem deu a cara, quem arriscou. E sempre reflicto nos ensinamentos que daí pude retirar. São muitos.

Este ano ocorre-me um fundamental : agir, tomar a vida em mãos e agir. Esta será uma das maiores lições que me foi transmitida sem que se pronunciassem estas palavra.

-Quando a vida te desagrada, age, mexe-te, quando cais, levanta-te. Quando fracassas, tenta outravez.

Foi o exemplo vivo dos meus pais, neste episódio e noutros que mais me marcou do que possivelmente uma repetição exaustiva duma frase com igual sentido.

-Acredita e luta, sonha e concretiza.

E sempre, dá tempo ao tempo. Roma e Pavia não se fizeram num dia. Sentido de responsabilidade, individualismo e amor por uma comunidade, o bem do grupo.

Mais do que mil palavras, este exemplo já faz parte de mim. Como poderei desistir dos meus sonhos no mundo em que vivo se quem me gerou pegou na vida em mãos e decidiu ajudar a mudar um regime?

Por mais este exemplo, obrigada.

domingo, março 15, 2009

Palmas III

Bashung e como o descobri. Tinha que ser. Osez Joséphine.

Salva de Palmas II

... a Bashung, no dia em que se retira. Esta será provavelmente uma das minhas canções preferidas, de todas.

Salva de palmas

De pé e já com saudades. Palmas para Alain Bashung, que melhor prémio para um músico, rocker, poeta?

sábado, março 14, 2009

A frase do dia em estilo twitter:

" Vou fazer um chá oolong, diz que faz emagrecer", proferida depois de engolir alarvemente dois patéis de nata da Garcia...

quarta-feira, março 11, 2009

Mas como as impressões são o que são...

... ou seja, na maioria dos casos imprecisas e pouco objectivas aqui fica um artigo muito interessante do Jornal de Negócios que se destaca pela fundamentação séria que utiliza. O artigo é da autoria de Ana Barbosa de Melo e intitula-se:
"Estará o Estado a ajudar no combate à pobreza?".

Espanto meu

Este é um post que já pensei escrever várias vezes. Quantas vezes oiço e leio sobre a crise e os casos de corrupção em Portugal? Nem sei já. " A crise, agora...", "A Crise dos últimos anos...", " a corrupção actual". O que me espanta é o "agora", o "actual". Como "agora" ? Desde que me lembro de existir que se fala de crise em Portugal e os anos noventa não foram excepção. Corrupção "agora", só podem estar a delirar... não há corrupção que nasça de pessoas íntegras, de bons e impolutos exemplos.
É o "agora", o "actual" que me deixam de boca aberta. Esta vontade de dourar a pílula do passado é crónica. "Agora" seria bom que por uma vez as coisas começassem a mudar. Esse sim seria um verdadeiro "Agora".

sexta-feira, março 06, 2009

Isto está bem escrito e vale a pena ler

Este artigo de opinião de Fernanda Câncio no DN de hoje.

quarta-feira, março 04, 2009

E estes também valem...

... a pena ler. Um é do blogue " Hoje há conquilhas". Aqui fica o link.

Outros dois são do blogue "Puxa-palavra" escritos pelo Raimundo Narciso, aqui e aqui.

E ainda este do blogue do Irreligious: "Everything single one of us, the devil inside"

Estes links todos servem sobretudo para eu encontrar mais tarde textos de que gostei por inúmeros motivos. Acontece-me tratar o blog um pouco como agenda virtual, com post-its e tal. Mas quem quiser ler os meus achados é sempre muito bem-vindo.

Isto está bem escrito e vale mesmo a pena ler...

...retirado do blogue "O Jumento", aqui deixo uma passagem, quem quiser ler tudo clique no texto:

"Poder-se-ia dizer que José Sócrates é tão competente que os eleitores estão dispostos a perdoar-lhe tudo, mas isso não é verdade, ainda que seja bem mais competente como primeiro-ministro do que as últimas soluções do PSD. Aliás, quando se candidatou a primeiro-ministro Sócrates não estava preparado para o cargo, o que o levou a falhar tanta promessa.
A verdade é que os eleitores são como as ratazanas, vão-se habituando ao veneno e acabam por se alimentar com ele em vez de morrerem. O José Manuel Fernandes bem pode dedicar todas as edições do Público a Sócrates que os seus leitores limitam-se a pular as páginas e não mudam as intenções de voto em função das desilusões empresariais de Belmiro de Azevedo. A Manuela Moura Guedes bem pode encher aquela enorme boca de gozo que os espectadores vão bocejando até à hora da telenovela. Cavaco Silva bem pode marcar comunicações e recorrer a vetos, não é por isso que os eleitores se vão apaixonar por Manuela Ferreira Leite ou reparar no seu Miguel Relvas.
A força de Sócrates vem da falta de alternativas, vem de uma oposição que esgota as suas energias na crítica e se esquece de propor um projecto com soluções para o país e quando simulam a apresentação de soluções estas tresandam a eleitoralismo.
Com uma oposição destas começo a ficar convencido de que nem à bala se vão livrar de José Sócrates. Aliás, ao PSD já só falta mesmo contratar um gangster para se livrar do líder do PS o que lhes serviria de pouco, estou convencido que Manuela Ferreira Leite perderia até com o porteiro do Largo do Rato."