quarta-feira, março 19, 2008

Ciao belli!!


...fiquem por cá bem. Eu vou a Roma e não vai ser para ver o Papa. Vai ser mesmo para namorar .
Arrivederci ! Fati i bravi, ciao cari, ciao, ciao...

Haja bom-senso

Parece que o bom-senso sempre prevalecera como se pode ler aqui.

Quando li a decisao inicial nem quis acreditar. Haja bom-senso, por favor.

Vale a pena ler

Genial, certeiro, é o post d' O Jumento que se pode ler aqui.

terça-feira, março 18, 2008

Dose aconselhavel: repetir ao levantar e ao deitar

Ouvido no programa "Click" da Antena 1, feito em colaboração com a Universidade de Aveiro e que versa sobre inumeros assuntos do campo das ciências. A proposito da ma decisão que levou ao lançamento do Vaivém que acabou por explodir em 1986, dizem-nos o seguinte sobre as regras que devem nortear os bons decisores:

"...E grave os decisores de topo nao saberem a verdade. (...) O que devem então fazer os gestores para saberem a verdade. Eis algumas sugestões:

- Não mate o mensageiro da ma noticia caso contrario as pessoas dizem-lhe apenas aquilo que quer ouvir;

- Aceite as opiniões divergentes da maioria, não confunda lealdade com concordância;

- Valorize a expressão de pontos de vista diferentes em vez de cultivar unanimidades falsas;

- Crie uma cultura em que as pessoas sintam liberdade para assumirem os erros;

- Escape à bajulação, não se rodeie de "yes men"ou seja de pessoas que apenas lhe dizem o que julgam que quer ouvir;

-Em suma, cultivar a verdade e admitir a ignorância são requisitos essenciais para o sucesso de longo prazo das empresas e dos individuos.

Não é facil, mas vale a pena."

domingo, março 16, 2008

Vale a pena ler

O editorial de hoje do Diario de Noticias intitulado "As ferias da Pascoa e a real dimensao da crise".

Pela sensatez e por resistir cair na litania facil que evita os pormenores e como se sabe o Diabo muitas vezes esconde-se nos pormenores. Destaco o seguinte:

"A crise é das palavras mais vezes repetidas em Portugal. Todos falam nela, todos se queixam. Mas regularmente há factos que não rimam com crise. Um deles é o aumento do número de portugueses que viajam ao estrangeiro. Uma contradição sobre a qual vale a pena reflectir.

A crise de que tanto se fala é, em muitos casos, exagerada e estimulada por um discurso político fatalista. As remunerações declaradas pelos trabalhadores por conta de outrem à Segurança Social têm crescido sistematicamente acima da inflação, o que representa um aumento do poder de compra. E hoje, mesmo com o período menos bom que as economias atravessam, vive-se melhor em Portugal do que se vivia há 20 ou 30 anos." Continua e vale a pena ler. O autor faz igualmente uma analise da situaçao do Tibete.

Tibete


Vale a pena ler o artigo no Le Monde sobre a revolta e motivos de colera dos tibetanos. O regime chinês nao hesita em agir brutalmente mesmo sabendo que tem as atençoes concentradas no que faz na contagem decrescente para os Olimpicos. Nao esquecer o Tibete, nao esquecer que o regime vigente na China é ditatorial e repressor para os chineses que o contestam e para aqueles que força a serem chineses. Ainda. Nao esquecer mesmo com os milhoes de yuan, as torres que irrompem como cogumelos, apesar de shanghai, apesar do milagre economico. Apesar do interesse e gosto desmesurado que tenho pela cultura, historia e lingua chinesas. Ou talvez por isso mesmo.

A quem interessar: site do Tibete na Bélgica.

sexta-feira, março 14, 2008

Prémio parangona idiota e Prémio total falta de credibilidade

Hoje de manha enquanto me preparava para sair ouvi na radio belga La Premiere uma noticia jocosa segundo a qual na Australia foi atribuido o prémio da idiotice com direito a três lugares. No segundo ficou um belga que ao ver um crocodilo num lago, se meteu lago adentro num barquito e vai de bater no crocodilo para ele sair da agua e lhe tirar uma foto. O fulano teve sorte, apesar de varios pontos sobreviveu.

Ora eu depois de ouvir da existência deste prémio nao resisti a criar a minha versao: o Prémio da parangona idiota. Vai para o Portugal Diario que tem neste momento em destaque o seguinte titulo: Caes cada vez mais ilegais
Eu ouvi falar de sete raças apenas (confesso que so conhecia duas dessas). Também me parece que sobram muitas mais, nomeadamente as mais comuns e conhecidas. Mas o que querem, de acordo com o Portugal Diario, os canitos vao todos passar à clandestinidade.

Embalada com este prémio que criei, lembrei-me de criar outro: o Prémio falta total de credibilidade que atribuo: a todos nos portugueses . Parece que na manif da funçao publica se gritava "Maioria absoluta nunca mais!" Esta bem esta, quem nao vos conheça que vos compre. Apesar de muito moçoilita ja ca andava no tempo do Cavaco. E dar-vos tempo. Daqui a uns anos até votam nele para Presidente e vertem lagrimas com a sua sabia serenidade.

quinta-feira, março 13, 2008

Um bom programa de televisao ou como recuperar da lobotomia

Mérito, qualidade é o que reconheço ao programa Sociedade Civil que passa diariamente na 2. E muito bom (estou num teclado francês, perdoem-me a falta de certos acentos). Mérito igualmente reconhecido a todas aquelas e aqueles que fazem o programa, saliento a jornalista Fernanda Freitas porque é o rosto do programa, mas todos estao de parabéns.

Vi recentemente o programa do dia 11 deste mês sobre a segurança alimentar. Contou com um representante da Asae, outro da Segalab e uma representante da Aresp.

O programa esclarece com calma, sem gritos, sem exaltaçoes em que todos falam e ninguém se entende.

Fiquei a saber que muito do que se diz da acçao da Asae sao mitos e pura desinformaçao (enfim, ja desconfiava...).

A certa altura refere-se um possivel exagero legislativo exemplificado com a proibiçao dos galheteiros que é unica na Europa. Pergunto eu: sera porque so nos nossos restaurantes se usavam os galheteiros? Nao sei se de facto assim é, mas nao me lembro de ter visto galheteiros nos restaurantes por aqui. Em geral o azeite vem em garrafas mais ou menos decorativas, mas de facto nao sei se posso generalizar.

Em todo o caso, o Sociedade Civil presta um bom serviço de interesse publico. Recomendo.


quarta-feira, março 12, 2008

Encontrei!

Até pareço o Professor Pardal. Encontrei a oposição no meu país. Achava preocupante não haver partidos políticos que exercessem essa função como deve ser. Acho essencial num estado democrático, independentemente de gostar do que faz ou não o governo em exercício. Mas afinal existe, ela está...no PS. Veja-se o que diz Vitalino Canas que afirma que não vale a pena pensar nos erros cometidos. Brilhante! Nehuma oposição faria melhor. Haja inteligência!

Foi pr'a isto que eu nasci



"Cette primauté du cerveau droit dans la lecture des idéogrammes explique peut-être cette aptitude de l'esprit chinois à percevoir la globalité comme une évidence et la causalité linéaire comme un exotisme. Inversement, une autre conséquence de la perception du monde à l'aide de mots formés de suites de lettres est l'évidence occidentale que n'importe quel système peut être décomposé et analysé à partir des éléments qui les constituent. "

"Prenons un autre exemple: "République", voilà un terme dont tout un chacun sait peu ou prou ce qu'il represente, la res publica , inventée par les anciens Grecs, désignant la libre discussion des affaires de la cité sur l'agora, la participation de tous les citoyens aux affaires (res) publiques (publica). Si maintenant on consulte un dictionnaire français-chinois, que voit-on à l'article "République"? Trois idéogrammes 共和国 dont le dernier signifie: pays, le deuxième : harmonie et le premier: en commun! Dans l'expression chinoise, il n'est question ni de discussion ni d'affaires publiques. S'agit-il de la même chose? La question se pose. Elle illustre en tout cas pourquoi le dialogue interculturel avec la Chine se heurte à une "Grande Muraille" d'incompréhension." in 100 Mots pour comprendre les Chinois de Cyrille J.-D. Javary, éd. Albin Michel.

Fascinante! Isto já não é um interesse qualquer, estou em plena obsessão desenfreada.

A quem interessar neste site : Chine-informations, encontrará inúmeras informações sobre a China e o Mandarim (como escrever os caracteres, dicionário, aulas online...).

terça-feira, março 11, 2008

Pronto, lá começa ela com a história dos "vale a pena ler ", irra!

Sim, sim vale a pena ler este post de Lutz Brückelmann do blogue " Quase em português".

Vale a pena ler

O post "Libertação da idiotice" de Fernanda Câncio no blogue 5 dias.

Anatomia virtual

Começou agora mesmo a acontecer: cada vez que abro a página online do Público oiço um "ai!". Até o fiz várias vezes para me assegurar de que não estava a ouvir mal, ou que o "ai" não vinha de outro lado. Confirmou-se a coisa. Estarei a pisar nalgum calo cibernético do Público? Pensando bem, é possível que sim... A confirmar-se esta minha teoria ainda lhe dou um puxão de orelhas uma hora destas...cibernético, claro.

segunda-feira, março 10, 2008

Lobotomia radiotelevisiva II

No mesmo Jornal da Tarde surge uma resportagem sobre os óculos que se vendem em farmácias e lojas chinesas. Óculos com pequena graduação e sem receita médica. A jornalista começa por chamá-los óculos das lojas dos chineses, apesar de depois focar também uma loja oriental de outra origem (indiana, talvez) e uma farmácia onde aliás entrevista uma farmacêutica (caucasiana, já que a reportagem puxa para essa diferenciação). A farmacêutica refere a diferença entre aqueles óculos e os de receita médica, um oftalmologista posteriormente faz a mesma distinção, indicando que os óculos em si não fazem mal, podem é levar quem os compra a ignorar problemas mais graves.
A jornalista conclui que o uso daqueles óculos nos pode deixar de olhos em bico, não por serem comprados nas lojas dos chineses mas por fazerem mal.
Enfim, por onde começar, pela estupidez da comparação? Pelo tendencioso da insistência nas lojas dos chineses quando o mesmo produto se vende em todas as farmácias? Pelo comentário no mínimo deselegante ao falar de olhos em bico num contexto de doença? Pelo facto de em parte alguma dos óculos se alegar que eles pretendem ser o que não são? Falta melhor informação do consumidor? Muito bem, melhore-se, mas não é preciso dar uma volta tão grande. Se calhar isto não chama a atençao de ninguém, é tudo normal. É por estas e por outras que faz muito bem uma estadiazinha fora . Outras perspectivas, outras questões, vestir a pele de quem é diferente, enfim...

Lobotomia radiotelevisiva

Como já aqui referi, deixámos de ter televisão por cabo e limitamo-nos agora a ver televisão online. Sinceramente há muito que não via tantos noticiários portugueses.
Cheguei há pouco a casa e resolvi ver o Jornal da tarde da RTP. Fui à página Multimedia como é habitual e cliquei. A vantagem de ver um programa gravado é que se avança sempre que uma notícia não nos interessa ou que já se viu.
O Jornal da Tarde de hoje abriu com a demissão do treinador do Benfica. Comecei logo a avançar com o cursor à procura da notícia seguinte. Finalmente lá dei com ela. Doze minutos, repito doze minutos depois de falatório sobre o tal Camacho que terminaram com a promessa de que no fim do noticiário ainda voltam ao assunto.
Como é que não se há de ter uma visão maníaco-depressiva da realidade. Num dia diz-se que o crime aumenta exponencialmente, no outro referem-se as estatísticas que dizem exactamente o contrário. A seguir o descontentamneto está na rua com 100 mil professores a manifestarem-se hoje abre-se o noticiário com 12 minutos de futebol. É alucinante o ritmo a que se alteram a realidade e as prioridades vistas pela nossa comunicação social...

Mais uma vaga...splash

...nesta onda de "vale a pena ler", aqui fica mais um artigo pertinente do blogue A pente fino.

sábado, março 08, 2008

Madame, mad'moiselle, Miss,Mrs, Ms...Mulher


Madame rêve d'atomiseurs
Et de cylindres si longs
Qu'ils sont les seuls
Qui la remplissent de bonheur

Madame rêve d'artifices
Des formes oblongues
Et de totems qui la punissent

Rêve d'archipels
De vagues perpétuelles
Sismiques et sensuelles
D'un amour qui la flingue
D'une fusée qui l'épingle

Au ciel
Au ciel

On est loin des amours de loin
On est loin des amours de loin
On est loin

Madame rêve ad libitum
Comme si c'était tout comme
Dans les prières Qui emprisonnent et vous libèrent
Madame rêve d'apesanteur
Des heures des heures
De voltige à plusieurs
Rêve de fougères
De foudres et de guerres
A faire et à refaire

D'un amour qui la flingue
D'une fusée qui l'épingle

Au ciel Au ciel
On est loin des amours de loin
On est loin des amours de loin
On est loin
Madame rêve
Au ciel
Madame rêve
Au ciel
Madame rêve


de Alain Bashung
8 de Março.

sexta-feira, março 07, 2008

Isto ja começa a ser uma maré cheia...

...esta maré de leitura para que vos ando a remeter, mas vale de facto a pena ler este artigo da Fernanda Câncio no DN de hoje.

segunda-feira, março 03, 2008

Em maré de leitura...



De repente o ar arrefeceu , está mais húmido também . Lá fora a neve cai. Vejo-a da janela enquanto passo por aqui, pelo computador, para deixar este apontamento. O tempo está para leituras, de preferência debaixo de lençóis, ou o tempo está para lençóis.

"L'orchestre a commencé à jouer un tango pareil à une feuille de salade flétrie tombant lentement en tourbillonnant d'un hamburger de Macdonnald's vieux de trois jours. Le champagne est arrivé." in Raffles Hotel de Murakami Ryû .